Quarta, 17 Maio 2017 09:46

Pessoas burras gostam mais de sair com os amigos

Avalie este item
(1 Votar)

Foto: Reprodução

Qual é a sua sexta-feira ideal? A resposta pode depender do quão inteligente você é. Um time internacional de psicólogos desenvolveu um estudo para entender como a felicidade humana está ligada à inteligência e à socialização.

A principal conclusão do estudo foi que pessoas menos inteligentes ficam progressivamente mais felizes conforme aumenta a frequência com que socializam com os amigos. Ou seja, sair com gente próxima aumenta seu bem-estar e sua satisfação com a vida.

Já com as pessoas muito inteligentes, não existia essa associação. Socialização e amizade não afetavam a felicidade. Pior: para as pessoas extremamente inteligentes, com o maior QI, a felicidade diminuía quanto mais tempo passavam com pessoas queridas.

Os pesquisadores do estudo são especialistas em psicologia evolutiva – ou seja, acreditam que, assim como os fatores biológicos, nossos comportamentos também foram selecionados naturalmente, prevalecendo os mais adaptados à situação.

O que eles propõem é a Teoria da Felicidade na Savana. Para eles, a inteligência nada mais é do que uma adaptação ao mundo moderno: quem é menos inteligente tem mais dificuldade de lidar com os desafios dos tempos atuais. Seu raciocínio e suas emoções ainda seriam muito parecidos com aqueles que apresentavam os humanos antigos, tribais e gregários, na savana africana. Já quem é mais inteligente estaria melhor adaptado psicologicamente aos dias de hoje.

Na pesquisa, eles avaliaram a inteligência com testes de QI e de inteligência verbal (quanto mais extenso o vocabulário do participante, maior sua pontuação). Depois, avaliaram a satisfação que essas pessoas sentiam em várias situações, que remetiam ao estilo de vida moderno ou pré-histórico.

As pessoas com menor QI se sentiam mais satisfeitas em ambientes mais vazios e menos populosos. Sua felicidade diminuía quando eram expostos aos grandes centros urbanos lotados e impessoais. Encontrar os amigos, portanto, seria uma compensação, criando círculos mais íntimos e, de certa forma, tribais.

Já os mais inteligentes se sentiam bem, mesmo isolados na cidade grande, fortalecendo a teoria dos pesquisadores de que estão mais adaptados à modernidade.

Mas a pesquisa também encontrou uma informação curiosa. As pessoas mais inteligentes curtem menos os momentos com os amigos, isso já sabemos. Porém, saem com os amigos com uma frequência igual ou maior do que os amigos mais burrinhos.

Isso significa que ou eles não percebem que aquilo não os deixa contentes ou existe uma pressão social que diz que você deveria ficar mais feliz por conviver com pessoas queridas. E aí eles reproduzem o comportamento mesmo que não se sintam mais satisfeitos.

 

Superinteressante

 

Ler 1053 vezes

Usuários Online

Temos 767 visitantes e Nenhum membro online

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

INUSITADO

Homem morre após lutar bêbado com porco …

SEGURANÇA

7º BPM desenvolve mais ações na Operação…

ESPECIAL

Três Passos tem o maior crescimento de I…

POLÍCIA

Assalto à loja de celulares é registrado…

TRÂNSITO

Sobe para 21 o número de mortos em acide…

SERVIÇO

Tribunal de Justiça do RS fará concurso …

TRÂNSITO

Mulher morre em colisão na ERS-569, em N…

TEMPO

Frio perde intensidade e quinta-feira se…

TRÂNSITO

Câmara aprova fim da multa e retenção do…

TRÂNSITO

Moto cai em rio ao passar sobre ponte co…

GERAL

Comissão aprova a volta da obrigatorieda…

CIDADE

Empresa oferece vagas de emprego em Três…