Sexta, 14 Julho 2017 19:45

Bilhete de R$ 3 milhões de apostador pode estar no lixo no RS

Avalie este item
(2 votos)

Foto: Roni Rigon/Agencia RBS

Ambição de boa parte dos brasileiros, acertar as dezenas da loteria nem sempre é garantia de felicidade. Um apostador de Caxias do Sul que diz ter acertado sozinho os cinco números do sorteio 4417 da Quina, de 30 de junho, entende bem essa sensação: ele afirma que perdeu o comprovante da loteria. A Caixa só permite a retirada do prêmio com a apresentação do canhoto e, até o fim da tarde desta sexta-feira, o valor não havia sido retirado. Jogador assíduo há pelo menos uma década, o rapaz de 34 anos vive um misto de angústia e esperança, já que o pedaço de papel que garantia a bolada de R$ 2.944.607,27 pode estar perdido em uma reciclagem ou em aterro de Caxias do Sul.

— Eu estou conseguindo tocar em frente porque não vi o dinheiro, nem tenho ideia do que é. Se eu tivesse visto o bilhete de novo, ou pensado direito nesse dinheiro, o cara não consegue ficar tão bem— explica.

A história poderia ter um desfecho diferente caso o técnico em manutenção não tivesse conferido os números de um sorteio impresso nas páginas do jornal do dia. Ele leu, checou e lamentou não ter acertado _ contudo, os números era de um outro sorteio. Seguiu para as tarefas do dia e deixou o bilhete jogado em uma mesa no canto da oficina onde trabalha, no bairro Fátima, consertando lavadora de roupas e outros eletrodomésticos. Quando o sócio dele perguntou se podia descartar o canhoto da Quina, o apostador concordou, numa atitude nada convencional dele, que garante guardar todos os comprovantes dos jogos em uma pastinha.

— Naquele dia, não sei por que, foi tudo diferente. Eu nem pensei duas vezes, eu disse: pode jogar fora. Ele (colega) colocou no nosso lixo, e não lembramos onde foi descartado porque cada dia fizemos um itinerário diferente, e deixamos em algum contêiner no caminho da entrega — lamenta.

A aposta que se perdeu foi feita na sexta-feira, dia 30 de junho, no mesmo horário de costume e na mesma na lotérica. Além de jogar os mesmos números habituais (soma de aniversário, data de casamento, nascimento de familiares), pediu à atendente da lotérica Zebrão um jogo às escuras. Nesse caso, os números são escolhidos aleatoriamente pelo computador. O resultado não agradou tanto:

— Partia de 35 e chegava a 76. Que jogo feio, eu disse. E a atendente pediu se eu queria trocar, e eu falei que não.

Talvez a única vez do ano em que ele não colocou os pés na lotérica foi a semana seguinte ao sorteio. O aniversário da filha de 6 anos ocupou todo o tempo extra: a festinha aconteceria no próximo fim de semana. Ao retornar à lotérica, quase uma semana depois, diz ter ouvido parabéns das atendentes. Não entendeu, e ao ver os números sorteados naquele sorteio, lembrou do "jogo feio" e sentiu uma infelicidade sem tamanho, pois se deu conta que havia permitido ao sócio o jogar o canhoto milionário no lixo. O apostador recebeu uma mensagem de texto do colega, onde o companheiro de empresa desabafou sobre a sensação de culpa que carrega:

"Amigo, eu não estou nem conseguindo dormir à noite. Você me disse uma semana antes que queria ganhar na loteria para ajudar teus pais, tua família. Eu peço mil desculpas", diz o recado.

Mesmo sabendo que precisaria trabalhar pelo menos 150 anos para arrecadar os quase R$ 3 milhões _ ele ganha cerca de R$ 5 mil mensais, o apostador pretende seguir com o hábito de estacionar em frente à lotérica Zebrão diariamente. Ele gasta cerca de R$ 500 por mês em jogos, e não irá reduzir o investimento:

— Minha filha me disse que vou ganhar de novo. E eu acredito nela.O valor fica disponível por 90 dias.O nome do apostador está preservado por questões de segurança.

História não é inédita em Caxias

Esta não é a primeira vez que um bilhete premiado teria parado no lixo em Caxias do Sul.

A história se repetiu em julho de 1990, quando o vidraceiro Pedro Luiz Rossi se confundiu ao conferir os números da loteria e jogou o bilhete no lixo. Ao notar o erro, no dia seguinte, Rossi e três amigos procuraram o bilhete entre a sujeira, no lixão. A notícia se espalhou e outras pessoas tentaram a sorte. Uma mulher encontrou o cartão premiado e o entregou ao marido, o carteiro Adão Camargo - o bilhete foi guardado num armário da agência dos Correios.

Camargo e Rossi entraram em acordo e dividiram a bolada de Cr$ 15.908.118,72, equivalente hoje a R$ 8.655.648,34, segundo calculadora do Banco Central.

O resgate do prêmio

Somente com apresentação do bilhete e sua conferência pode ser garantida a retirada do prêmio. Pagamento superior a R$ 1.523,28 (bruto de R$ 1.903,98) pode ser realizado somente nas agências da Caixa. Valores iguais ou acima de R$ 10 mil são pagos após 2 dias de sua apresentação na agência da Caixa.

 

De acordo com a Caixa Econômica Federal, com o valor integral do prêmio (R$3.000.000,00), o ganhador poderá adquirir uma frota de 100 carros populares ou sete imóveis de R$ 400 mil cada. Se quiser investir na poupança, o sortudo poderá garantir uma aposentadoria de R$ 20 mil por mês.

O Pioneiro 

Ler 3600 vezes Última modificação em Sexta, 14 Julho 2017 20:40

Usuários Online

Temos 290 visitantes e Nenhum membro online

NOTÍCIAS RECOMENDADAS

Lucas Pneus e Acessórios

JYM Studio

Mauri Cabeleireiro

Colchões Ortobom

Igreja Dom de Maravilha

Protegendo o rio Uruguai

Leitor Repórter

Site com milhões de acessos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RAPIDINHAS

A valorização da vida em foco!

ESTADO

Futuro médico é preso no RS e o que foi …

INUSITADO

Pinto com quatro patas surpreende famíli…

VARIEDADES

Família de Marcelo Rezende expulsa namor…

MUNDO

Terremoto de 7,1 graus na escala Richter…

POLÍCIA

Ladrão usa carro branco para furtar tijo…

ESPECIAL

Jovem fica ferido ao cair de moto em val…

POLÍCIA

Marido é considerado principal suspeito …

ESPECIAL

18 animais de propriedade rural em Três …

ESTADO

Bebê recém nascida é encontrada no lixo …

POLÍCIA

Mulher é presa suspeita de tentar matar …

POLÍCIA

Preso autor da morte de policial rodoviá…