Quinta, 11 Janeiro 2018 23:44

O que é a síndrome do bebê azul?

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Foto: Reprodução

A transposição das grandes artérias (TGA) é uma condição em que os dois vasos sanguíneos principais que saem do coração - a artéria pulmonar, que leva sangue aos pulmões para pegar oxigênio, e a aorta, que tira sangue do coração para o corpo, - são trocadas.

Isso significa que o sangue flui para os pulmões e pega oxigênio, mas depois é bombeado de volta aos pulmões em vez de viajar ao redor do corpo. O fluxo que circula em volta do corpo é incapaz de atingir os pulmões para pegar oxigênio e continua circulando - e é por isso que as crianças nascidas com a condição podem ficar azul.

A incidência é relativamente comum, de acordo com o National Health Service Choices, que aponta que cerca de 5% dos recém-nascidos terão a condição, o que representa de 20 a 30 crianças em cada 100 mil nascidos vivos.

O primeiro procedimento arterial bem-sucedido foi realizado em uma criança de 42 dias pelo cirurgião cardíaco brasileiro Adib Jatene em 1975, que também deu o nome ao procedimento – “procedimento de Jatene”.

De acordo com as estatísticas, de 97 a 98 em cada 100 bebês sobrevivem à cirurgia. Cerca de um em cada 100 bebês tem complicações como danos cerebrais - às vezes permanentes -, danos nos rins ou anormalidades graves do ritmo cardíaco. Existe também o risco de complicações menores após a cirurgia, como uma infecção pulmonar ou líquido coletando ao redor do coração ou pulmões.

Procedimento

Antes da operação, é comum que os médicos realizem um procedimento que pode ajudar o recém-nascido a ter melhores condições para receber a cirurgia, que ocorre entre o 7º e o 30º dia de vida. A técnica se baseia na injeção de prostaglandina ou na introdução de um cateter no coração do bebê para aumentar a oxigenação até que ele tenha capacidade de passar por uma intervenção cirúrgica.

A cirurgia para TGA faz a inversão da posição da artéria aorta e da artéria pulmonar, colocando cada um em seu devido lugar, fazendo com que o sangue que passa pelo pulmão recebe oxigênio e seja distribuído pelo corpo do bebê, deixando o cérebro e todos os órgãos vitais oxigenados e garantindo a sobrevivência da criança.

O bebê recebe anestesia geral, e a circulação sanguínea é mantida por uma máquina que faz a função do coração enquanto é feita a cirurgia.

Na maioria dos casos, a criança não fica com sequelas e o crescimento e desenvolvimento da criança não é afetada, permitindo uma vida saudável.

 

iG 

Ler 490 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Usuários Online

Temos 1869 visitantes e Nenhum membro online

VITRINE PUBLICITÁRIA

Astor Mallmann – Representante Telha Cer…

Colchões Ortobom

Green House

VIVO Multicell - Três Passos

Arraiá Soberano Grill

Igreja Dom de Maravilha

Vende-se prédio comercial em Humaitá

Feijoada da APAE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

POLÍCIA

Corpo encontrado em açude pode ser de jo…

ESPECIAL

PRF realiza operação na Avenida Perimetr…

REGIÃO

Linha aérea no Noroeste do RS já tem 200…

POLÍCIA

Jovem de 21 anos morre no hospital após …

EDUCAÇÃO

Diretor Nelson Weber fala sobre o 86º an…

ESPECIAL

Mulher sofre surto no centro da cidade d…

POLÍCIA

Transexuais promovem tumulto envolvendo …

GERAL

Após vitória suada, torcedores brasileir…

ESPECIAL

Após divulgar no Três Passos News, empre…

VARIEDADES

Inventário e partilha: algum dia todos v…

SEGURANÇA

Quatro bandidos são procurados após fuga…

REGIÃO

Onça-pintada volta a ser fotografada no …

...