Domingo, 18 Fevereiro 2018 17:31

Agentes de trânsito poderão ter de provar a infração com foto ou áudio

Avalie este item
(0 votos)

Foto: Reprodução

Recorrer de uma infração que supostamente não teria cometido é uma medida usada por muitos motoristas para evitar o pagamento da multa. Com isso, a versão do autuado acaba confrontando com as informações do agente de trânsito que lavrou a infração.  E, dependendo da argumentação, o condutor pode até obter sucesso.

Porém, esse tipo de discussão comum nos órgãos reguladores do trânsito está perto de perder validade. Um projeto de lei em tramitação na Câmara dos Deputados prevê que os agentes de fiscalização comprovem as infrações por meio de equipamento audiovisual, eletrônico ou outro recurso tecnologicamente disponível.

Desta forma, seria possível atestar o momento em que o motorista desrespeita a lei de trânsito, como usar celular ao volante, fazer conversão em local proibido, não afivelar o cinto de segurança ou estacionar de forma irregular.

A projeto de lei 8377/17 é de autoria da deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO) e altera o Código de Trânsito Brasileiro. Atualmente, o CTB determina que a declaração da autoridade ou do agente de trânsito já é suficiente para comprovar a infração. E quando possível ele também recolhe assinatura do condutor para atestar e provar que houve o descumprimento da lei, sem a necessidade de equipamento eletrônico ou foto.

Mas na opinião da parlamentar os cidadãos têm o direito de recorrer das penalidades impostas pelos departamentos de trânsito, mediante imagem ou qualquer outro meio comprobatório para sua defesa.

“Por mais que os agentes de trânsito não precisem provar o que afirmam, por possuírem presunção de veracidade, os cidadãos devem ter o direito de recorrer das penalidades valendo-se de provas concretas, como imagens ou qualquer outra informação passível de contraditório e ampla defesa”, pontua.

A alegação de Mariana Carvalho é que a conscientização da sociedade diante das responsabilidades no trânsito seria mais efetivo do que a fixação de penas monetárias elevadas. Para ela, o número de campanhas educativas realizadas não acompanha a mesma frequência das blitzes para multar motoristas.

O projeto de lei será agora analisado pelas comissões de Viação e Transportes e de Constituição e Justiça e de Cidadania já em caráter conclusivo e depois encaminhado ao Senado.

 

Gazeta do Povo

Ler 417 vezes

Usuários Online

Temos 2538 visitantes e Nenhum membro online

VITRINE PUBLICITÁRIA

Atacadão do Hortifruti

Green House

VIVO Multicell - Três Passos

Igreja Dom de Maravilha

Vende-se prédio comercial em Humaitá

46ª FETRELI – Programação

Anuncie aqui

Leitor Repórter

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

POLÍCIA

Taxista é agredido e apedrejado após cor…

ESPECIAL

Jovens vítimas de acidente na BR-468 seg…

GERAL

Conheça os mitos e verdades sobre a vaci…

POLÍCIA

Procurado da Justiça é preso após fugir …

ESPECIAL

TJ e Defensoria Pública do RS estão com …

ESTADO

24 de abril é comemorado o Dia do Chimar…

ESPECIAL

Semana inicia com instabilidade e alerta…

TRÂNSITO

Veículo pega fogo no centro da cidade de…

GERAL

Saiba se alguém está espionando o seu Wh…

CURIOSIDADES

Depois de enfrentar urso e cobra, homem …

GERAL

Dormir tarde aumenta chance de morte pre…

ESTADO

Vídeo mostra morte de piloto durante cor…