Quarta, 21 Fevereiro 2018 17:07

Justiça nega liberação de valor arrecadado aos pais do menino Jonatas

Foto: Reprodução

Em um julgamento acalorado, na quarta-feira, 20, no Tribunal de Justiça, os pais do menino Jonatas sofreram novo revés ao tentarem a liberação dos mais de R$ 4 milhões arrecadados com a campanha para tratamento do filho, que sofre de atrofia muscular espinhal (AME).

O casal Renato e Aline Openkoski, de Joinville, impetrou mandado de segurança para conseguir a liberação dos recursos (bloqueados pela Justiça em primeira instância), sem necessidade de prestar conta dos valores.

O caso ganhou dimensão nacional após ser revelado que parte do dinheiro foi usado para comprar um carro de R$ 140 mil, alugar uma casa maior e custear uma viagem do casal a Fernando de Noronha.

Por decisão unânime, na sessão desta terça-feira, a 3ª Câmara de Direito Civil do TJ rejeitou o pedido do casal.

A defesa dos Openkoski argumentou, logo ao início, haver excesso de denuncismo na imprensa, com reportagens em todo o país, enquanto os pais estão privados de dar o correto tratamento ao filho. Reclamou também de o mandado de segurança impetrado no TJ, apesar de estar em segredo de Justiça, ter sido divulgado nesta coluna.

Em suas ponderações, os desembargadores disseram que o assunto é nacional, que não houve vazamento interno pelo tribunal e logo entraram no mérito.

Os três juízes entenderam que o assunto é urgente e a criança tem de ter à disposição, sempre que necessitar, o valor necessário a seu tratamento. Inclusive, fizeram um apelo para que, na primeira instância, se encontre uma maneira ainda mais rápida de liberar qualquer valor necessário para o menino.

Na última sexta-feira, por exemplo, foram liberados R$ 19 mil, mediante pedido dos pais.

Porém, também lembraram, durante a votação, que “os pais deram motivo” para que o Ministério Público agisse. E que cabe ao MP zelar pelos direitos e garantias legais de crianças e adolescentes.

O órgão também entendeu que os valores arrecadados na campanha AME Jonatas pertencem à criança, não aos pais, e que houve inércia do casal em fazer a prestação de contas solicitada. Também concluíram que o pedido do MP à Justiça para bloquear os valores teve o único objetivo de preservar o bem-estar da criança.

A decisão do TJ se tornará pública em alguns dias.

Transparência

A campanha AME Joanatas pode virar um marco para restabelecer a maneira como a sociedade se engaja em campanhas nas redes sociais. Pais de outras crianças com problemas reclamam do ceticismo que tomou conta de potenciais doadores. Muitos precisam e muitos querem ajudar. Uma prestação de contas transparente resolve.

 

NSC Total

Ler 1939 vezes

Usuário's Online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

GERAL

Mulher tenta vender filha adolescente po…

REGIÃO

Tiago Linck realiza palestra motivaciona…

ESTADO

Jovem de 15 anos morre ao ser atingido p…

POLÍCIA

Caçada continua e mais dois fugitivos sã…

TRÂNSITO

Grave acidente deixa dois mortos na ERS-…

INUSITADO

Pedreiro cadeirante desafia o preconceit…

GERAL

Gasolina cai mais R$ 0,10 e pesquisa enc…

ESPECIAL

Foragidos de presídio invadem casa e ati…

POLÍCIA

Morre menino de 10 anos esfaqueado por a…

ESPECIAL

Após confronto, PRF alerta para a presen…

REGIÃO

Reunião sela acordo de paz na Terra Indí…

ESPECIAL

CB de Três Passos está arrecadando doaçõ…