Sexta, 09 Março 2018 16:17

Sérgio Moro marca para 15 de maio leilão do tríplex no Guarujá atribuído a Lula Destaque

Avalie este item
(0 votos)

iG São Paulo

Lance mínimo para tentar adquirir o imóvel será de R$ 2,2 milhões; caso não haja interessados, uma segunda “praça” está marcada para dia 22 de maio

Juiz federal Sérgio Moro determinou o leilão do tríplex do Guarujá%2C peça central da ação contra Lula

Juiz federal Sérgio Moro determinou o leilão do tríplex do Guarujá%2C peça central da ação contra Lula

Foto: Reprodução/Twitter

A Justiça Federal do Paraná marcou para o dia 15 de maio, às 14h, o primeiro leilão do apartamento tríplex no edifício Solaris, no Guarujá, atribuído ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O imóvel foi pivô da condenação do petista por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em primeira e segunda instância.

Segundo a Globo News, o lance mínimo para tentar adquirir o imóvel será de R$ 2,2 milhões –valor de avaliação do apartamento. No entanto, caso não haja interessados no tríplex atribuído a Lula, uma segunda “praça” está marcada para dia 22 de maio, com o imóvel sendo colocado em leilão pelo lance mínimo de 60% de seu valor (R$ 1,32 milhão).

No fim de janeiro, Sérgio Moro determinou a venda, em leilão público, do tríplex do Guarujá, que, segundo o Ministério Público Federal (MPF), pertenceria ao ex-presidente do País. A decisão foi tomada após o imóvel ter sido penhorado a pedido da 2ª Vara de Execução de Títulos Extrajudiciais da Justiça Distrital de Brasília, em processo da empresa Macife contra a OAS. Segundo a defesa do petista, a decisão dessa penhora, pela própria Justiça, comprovaria ser a OAS a verdadeira dona do imóvel – e não o ex-presidente.

Na decisão proferida no dia 29 de janeiro,o juiz argumenta que “o imóvel foi inadvertidamente penhorado, pois o que é produto de crime está sujeito a sequestro e confisco e não à penhora por credor cível ou a concurso de credores”. Assim, também determinou que os valores obtidos no leilãofossem revertidos à Petrobras.

O entendimento de Moro, agora ratificado pelo TRF-4, foi o de que a compra e reforma doimóvel foram oferecidaspela construtora OAS ao ex-presidente e representaram uma vantagem indevida no valor de R$ 2,4 milhões.

Segundo Moro, a omissão do recolhimento do IPTU pela “proprietária formal” (OAS), ou pelo “proprietário de fato”, colocaria em risco os direitos da estatal, uma vez que a impressão de que o imóvel estaria abandonado poderá resultar na sua desvalorização.

Em nota, Cristiano Zanin Martins, advogado do ex-presidente, afirmou queno julgamentodo TRF-4 ficou reconhecido que o "apartamento é e sempre foi de propriedade da OAS Empreendimentos".

Segunda a defesa do petista, o ex-presidente "jamais foi proprietário do apartamento, que foi usado em um enredo criado com o objetivo pré-determinado de condenar o ex-presidente, em um claro cenário de lawfare, que consiste no mau uso e no abuso das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política. A prova final é que mesmo o juiz Sérgio Moro reconhece que os recursos do leilão podem ir para a OAS".

Leia também:Jovem apadrinhado do PTB é afastado de função no Ministério do Trabalho

Avaliação do imóvel

A pedido do juiz Sérgio Moro, da13ª Vara Federal de Curitiba, foi realizada uma perícia no tríplex do Guarujá. Segundo a avaliação judicial, o imóvel vale R$ 2,2 milhões.

De acordo com o laudo realizado notríplex, no litoral de São Paulo, foram encontrados alguns móveis "em bom estado de conservação" no interior do apartamento, como geladeira, fogão e exaustor, além de camas e armários. O documento ainda aponta que, no primeiro pavimento, encontram-se sala com varanda, cozinha e área de serviço, além de lavabo e uma suíte. Já no segundo andar, estão presentes três "quartos compactos", sendo uma suíte, com hall de distribuição e um banheiro.

Por fim, em um terceiro pavimento, estão a churrasqueira e piscina, onde é possível ver uma "coifa e armários com sinais de ferrugem e desgaste".O apartamento conta com um elevador que integra os três andares.

A oficial de Justiça aponta que o porteiro "Sr. Alexandre" informou que as chaves do apartamento ficam sob custódia da empreiteira OAS. Assim, dois funcionários foram enviados ao imóvel para acompanhar a perícia, sendo um deles a engenheira Mariuza Aparecida da Silva Marques, que foi testemunha no processocontra o ex-presidente.

Leia também:Psol lança Guilherme Boulos como pré-candidato à Presidência da República

Vale lembrar que a defesa do ex-presidenteargumenta que o petista não tem as chaves do imóvel e que, portanto, não seria o proprietário.Em ação penal que apura a relação do petista com a OAS, Lula foi condenado em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão.Na sentença da Turma do TRF-4, Lula foi considerado culpado pelos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro por participar no caso de desvios de recursos da Petrobras, no qual teria sido beneficiado com o apartamento no Guarujá.

Ler 138 vezes

Galeria de Imagens

Usuários Online

Temos 2941 visitantes e Nenhum membro online

VITRINE PUBLICITÁRIA

Astor Mallmann – Representante Telha Cer…

Colchões Ortobom

Atacadão do Hortifruti

Green House

VIVO Multicell - Três Passos

Igreja Dom de Maravilha

Vende-se prédio comercial em Humaitá

Feijoada da APAE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

GERAL

Menina desaparecida de 3 anos é encontra…

PAÍS

Vidente que previu acidente com avião da…

MUNDO

Sobrevivente de câncer comove as redes c…

REGIÃO

Rodovias da região recebem equipamentos …

POLÍCIA

Veículo da esposa do prefeito de Bom Pro…

ESPECIAL

Menino três-passense de 6 anos grava mús…

TRÂNSITO

Motorista morre em acidente entre três v…

GERAL

Empresa oferece vaga de emprego para Trê…

POLÍCIA

Polícia divulga fotos de suspeitos de as…

CIDADE

Abertas as inscrições para Soberanas da …

TRÂNSITO

Trator desgovernado bate em camionete e …

EDUCAÇÃO

Colégio Ipiranga comemora o 86º aniversá…

...