Imprimir esta página
Segunda, 12 Março 2018 11:05

"Não me submeto à pressão", diz Cármen Lúcia sobre rever prisão antecipada Destaque

Avalie este item
(0 votos)

iG São Paulo

Presidente do STF diz que não vai se dobrar diante de pedidos para pautar julgamento que pode favorecer Lula; ministra receberá advogado do petista

Cármen Lúcia garantiu que

Cármen Lúcia garantiu que "não se submete a pressão" por julgamento sobre prisão após decisão em 2ª instância

Foto: Luiz Silveira/Agência CNJ - 6.3.18

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministraCármen Lúcia, garantiu que não irá ceder a pressões exercidas por setores quecobramnovo julgamento acerca daautorização para prisões apóscondenações em segunda instância.


Durante evento realizadonestaterça-feira (13) pelo jornal Folha de S.Paulona capital paulista, Cármen Lúcia foi questionada sobre como lida com a pressão para pautaro julgamento de processos acerca do tema. A resposta: "Eu não lido. Eu simplesmente não me submeto à pressão".

O agente responsável por exercer a maior parte dessa "pressão" são os apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), quepode ser diretamente beneficiado caso o STF reverta o entendimento adotado no fim de 2016, quando a maioria dos ministros julgou que um réu pode ser preso mesmo que ainda existam vias recursais disponíveis.

Recém-contratado para atuar na defesa do petista, o ex-ministro do STF Sepúlveda Pertence terá reunião com Cármen Lúcia ao meio-dia desta quarta-feira (14).

O encontro se dá num momento em que o Partido dos Trabalhadores decidiu intensificar sua ofensiva para evitar a prisão de Lula. No domingo (11), a presidente nacional da legenda, senadora Gleisi Hoffmann (PR), anunciou que teria início uma "campanha de esclarecimento" para defender o ex-presidente.

"Querem prender o Lula com a condenação de um tribunal de segunda instância.A Constituição Federalbrasileira é clara: ninguém pode ser preso se não por trânsito em julgado da sentença condenatória. E isso é quando o último tribunal dá o seu veredito sobre o processo, e o último tribunal é o Supremo Tribunal Federal",argumentou Gleisi.

Prisão pós-segunda instância – a reviravolta?

O STF decidiu em outubro de 2016, por6 votos a 5, permitir a possibilidade de prisão após um réu ser condenado por colegiado de segunda instância. De lá para cá, no entanto,algunsministros sinalizaram que essa decisão deveria ser reanalisada pela Corte.

O ministro Marco Aurélio Mello, que é relator de um processo sobre o assunto, declarou que encaminharia a matéria para nova discussão no plenário. Já o ministro Gilmar Mendes, que votou a favor das prisões em 2016, passou a indicar que mudou seu entendimento quanto ao assunto.

Apesar de Cármen Lúciadizer que não pretendepautar o assunto parao plenário, a situação pode ser diferente a partir de setembro, quando o ministro Dias Toffoli assumirá a presidência do Supremo em seu lugar. Toffolivotou contra o início do cumprimento da pena após a condenação em segunda instância.

Ler 87 vezes