Sábado, 14 Abril 2018 19:05

Família vai pedir desarquivamento de inquérito sobre morte de jovem no RS

Avalie este item
(1 Votar)

Caso poderá ser reaberto pela Justiça. Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal

Uma família, inconformada com o laudo oficial e o inquérito que indicaram que a morte de Guilherme de Quadros Corrêa, 19 anos, teria sido por acidente, contratou uma empresa especializada para investigar o caso. O laudo alternativo foi concluído e agora a defesa da família vai solicitar o desarquivamento do inquérito à Justiça de Carlos Barbosa, na Região da Serra do RS.

O caso

Conforme o relatório, a morte de Guilherme não foi por acidente de trânsito e sim homicídio. Todas as provas e análises dão conta que o jovem sofreu ferimentos antes de entrar no seu Fusca e colidir por duas vezes em ruas de Carlos Barbosa. Essa mesma investigação aponta um suposto agressor que se evade da rua Coberta, logo após a agressão.

As primeiras informações sobre o fato davam conta de que Guilherme, no dia 19/03/2017, se envolveu em uma briga na Rua Coberta em Carlos Barbosa, sendo atingido por uma garrafada. Em seguida, ele teria entrado no seu carro, um fusca, e colidido contra um parquímetro, na rua Rio Branco, e mais adiante, já na rua José Raimundo Carlotto, onde perdeu o controle do Fusca, colidiu contra uma Saveiro que estava estacionada e posteriormente em uma grade de ferro de uma residência. Ele foi socorrido pelos bombeiros, mas não resistiu aos ferimentos e morreu a caminho do hospital São Roque.

Foi aberto inquérito para apurar as circunstâncias da morte de Guilherme e no dia 17/01 deste ano, o delegado de Carlos Barbosa entregou o relatório conclusivo à justiça barbosense, que apurou que o jovem morreu por conta de hemorragia provocada por um ferimento profundo na jugular, causada pelo impacto contra o para-brisa do fusca que conduzia. A juíza deu vista dos autos ao Ministério Público. O promotor após análise pediu o arquivamento do inquérito, o que foi aceito pela magistrada, em fevereiro deste ano.

Com base na análise minuciosa nas câmeras de segurança que registraram o fato, verificando o sangue encontrado no fusca, os estilhaços do carro que ficaram dentro do veículo, bem como a velocidade imprimida por Guilherme ao sair da Rua Coberta que ficou entre 50 e 60 km/h, o laudo alternativo afirma que a morte de Guilherme foi por hemorragia, decorrente do ferimento que teve na região do queixo até a orelha, antes de entrar no veículo.

A investigação também aponta um suspeito da morte que se evadiu da rua Coberta logo após a agressão. Esse rapaz teria uma tatuagem no braço e as imagens registraram ele tirando parte das vestes.

Com base neste laudo, a advogada Dinamara Lusa Tessaro, contratada pela família de Guilherme, vai solicitar o desarquivamento e novas diligências do fato.

Confira entrevista da advogada da família de Guilherme ao Três Passos News:

TP News – A senhora é advogada de defesa da vítima?

1. Primeiramente, gostaria de esclarecer, que eu não sou advogada de defesa da família, eu sou advogada da família que pretende ser assistente da acusação, por quê? Porque o Guilherme Quadros Correia é vítima!

TP News - Porque a família decidiu contratar um advogado particular para acompanhar o trabalho da polícia civil na investigação da morte do filho?

Porque inicialmente, o delegado de polícia, Doutor Leônidas, concede uma entrevista para o meio de comunicação local, afirmando que, de acordo com o laudo pericial, efetuado pelo Instituto Médico Legal, e de acordo com a conversa que o mesmo teve com o médico Legista, este afirma que o ferimento do Guilherme aconteceu antes de entrar no Fusca, no local da briga, e que a morte não ocorreu em virtude do acidente de trânsito. Inclusive o doutor Leônidas afirma que, naquele exato momento, já existiam dois suspeitos. Porém, após esta declaração efetuada pelo Doutor Leônidas, a investigação toma outro sentido. Portanto, a família da vítima contrata advogado particular para representá-los como assistentes de acusação, para colaborar na apuração dos fatos.

TP News - O que levou a família a contratar uma empresa de perícias e investigação?

Levando em consideração o laudo final, o relatório do Delegado de Polícia, Doutor Leônidas, que vai de encontro ao que, inicialmente, divulgou, a família contratou os serviços da empresa, que efetua perícias particulares.

TP News - Segundo o perito contratado pela família, as manchas de sangue indicam cientificamente que ele embarcou machucado no carro?

Com o resultado final da perícia contratada, a comprovação científica de que Guilherme foi ferido na briga, na rua coberta, antes de entrar no Fusca, e que a morte foi em decorrência deste ferimento e pela hemorragia provocada pelo ferimento, cabe agora à advogada, que representa os pais, fazer os pedidos junto ao Poder Judiciário da cidade de Carlos Barbosa, o desarquivamento do processo e a denúncia dos responsáveis.

Ler 2918 vezes Última modificação em Sábado, 14 Abril 2018 21:56

Usuários Online

Temos 566 visitantes e Nenhum membro online

.......

VITRINE PUBLICITÁRIA

Green House

VIVO Multicell - Três Passos

Igreja Dom de Maravilha

Vende-se prédio comercial em Humaitá

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DIVERSOS

Prefeito recepciona cavalarianos em Tira…

GERAL

Criança de um ano e nove meses morre afo…

ESPECIAL

Caminhonete estacionada na rua é furtada…

TEMPO

Rio Grande do Sul ainda pode ter chuva f…

TRÂNSITO

Jovem morre ao colidir motocicleta de fr…

GERAL

Horário de verão pode ser proibido em to…

ESPECIAL

Incêndio de grandes proporções é registr…

JUSTIÇA

Juiz que vendia sentenças via Whatsapp é…

TEMPO

Primavera será quente e chuvosa no Rio G…

TRÂNSITO

Carro fica destruído após saída de pista…

CIDADE

Ministério do Trabalho desinterdita frig…

TRÂNSITO

Carreta do Paraguai capota em rodovia no…