Domingo, 15 Abril 2018 09:52

May diz que Reino Unido participou de ataque na Síria por interesse nacional e não devido a pressão de Trump

Avalie este item
(0 votos)

Na sexta feira, EUA, França e Reino Unido lançaram 105 mísseis contra três alvos na Síria. 'Era a coisa certa a se fazer, e não estamos sozinhos', disse premiê. Theresa May fala no Parlamento nesta segunda (16) PRU/AFP A decisão do Reino Unido de realizar ataques aéreos contra a Síria está relacionada com o interesse nacional do país, e não é resultado da pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, disse a primeira-ministra Theresa May ao Parlamento nesta segunda-feira (16). "Não fizemos isso porque o presidente Trump nos pediu, nós fizemos isso porque acreditamos que era a coisa certa a se fazer, e não estamos sozinhos.
Há amplo apoio internacional para a ação que fizemos", disse. Ainda nesta segunda, o Reino Unido acusou a Rússia e a Síria de não permitirem a entrada da missão da Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq) em Duma, cidade de Guta Oriental alvo de um suposto ataque com arma química do regime de Bashar Al-Assad. A Rússia nega que esteja impedindo. "A Opaq chegou no sábado a Damasco. A Rússia e Síria não autorizaram ainda o acesso a Duma", declarou no Twitter a embaixadora britânica em Haia (Holanda). O Kremlin afirma que a acusação carece de fundamento, segundo a France Presse. Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Barzah, no arredores de Damasco, antes e depois de bombardeio Satellite Image ©2018 DigitalGlobe, a Maxar company via AP Ataque e retaliação O ataque em que o regime sírio teria utilizado armas químicas em Duma aconteceu em 7 de abril deixou 40 mortos e dezenas feridos. Em retaliação, EUA, França e Reino Unido lançaram 105 mísseis contra três alvos do programa de armamento químico na Síria na noite de sexta-feira (13) (horário de Brasília). Os alvos atingidos pelo bombardeio dos EUA, França e Reino Unido foram o centro de Pesquisa e Desenvolvimento Barzah, nos arredores de Damasco, um armazém de armas químicas – em que os EUA acreditam que estavam estoques de gás sarin –, e uma base que também teria armas químicas, esses dois últimos em Homs. Nesta segunda-feira, a Opaq deu início a uma reunião convocada em caráter de urgência, em Haia, sobre o suposto ataque químico de Duma. A reunião envolve o seu conselho executivo, que reúne 41 membros dos 192 países que integram a organização. EUA, Reino Unido e França bombardeiam alvos na Síria (Foto: Arte/G1)
Ler 149 vezes

Usuários Online

Temos 81244 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

GERAL

Filho de Bolsonaro diz que foi banido do…

INUSITADO

Briga por causa de calcinha termina com …

POLÍCIA

Agência dos Correios é assaltada em Coro…

PAÍS

Datafolha divulga nova pesquisa de inten…

ESPECIAL

Vereadores derrubam veto do prefeito a p…

ESPECIAL

Veja como será o tempo no fim de semana …

TRÂNSITO

Homem morre em acidente entre carro e mo…

TEMPO

Chuva danifica pelo menos 90 residências…

PAÍS

MPE vai apurar suspeita de doações ilega…

CIDADE

Gramar Materiais de Construção: 6 anos e…

CURIOSIDADES

Trabalhadores nascidos em outubro podem …

REGIÃO

Agricultor inventa máquina para semeadur…