Domingo, 15 Abril 2018 09:52

May diz que Reino Unido participou de ataque na Síria por interesse nacional e não devido a pressão de Trump

Avalie este item
(0 votos)

Na sexta feira, EUA, França e Reino Unido lançaram 105 mísseis contra três alvos na Síria. 'Era a coisa certa a se fazer, e não estamos sozinhos', disse premiê. Theresa May fala no Parlamento nesta segunda (16) PRU/AFP A decisão do Reino Unido de realizar ataques aéreos contra a Síria está relacionada com o interesse nacional do país, e não é resultado da pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, disse a primeira-ministra Theresa May ao Parlamento nesta segunda-feira (16). "Não fizemos isso porque o presidente Trump nos pediu, nós fizemos isso porque acreditamos que era a coisa certa a se fazer, e não estamos sozinhos.
Há amplo apoio internacional para a ação que fizemos", disse. Ainda nesta segunda, o Reino Unido acusou a Rússia e a Síria de não permitirem a entrada da missão da Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq) em Duma, cidade de Guta Oriental alvo de um suposto ataque com arma química do regime de Bashar Al-Assad. A Rússia nega que esteja impedindo. "A Opaq chegou no sábado a Damasco. A Rússia e Síria não autorizaram ainda o acesso a Duma", declarou no Twitter a embaixadora britânica em Haia (Holanda). O Kremlin afirma que a acusação carece de fundamento, segundo a France Presse. Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Barzah, no arredores de Damasco, antes e depois de bombardeio Satellite Image ©2018 DigitalGlobe, a Maxar company via AP Ataque e retaliação O ataque em que o regime sírio teria utilizado armas químicas em Duma aconteceu em 7 de abril deixou 40 mortos e dezenas feridos. Em retaliação, EUA, França e Reino Unido lançaram 105 mísseis contra três alvos do programa de armamento químico na Síria na noite de sexta-feira (13) (horário de Brasília). Os alvos atingidos pelo bombardeio dos EUA, França e Reino Unido foram o centro de Pesquisa e Desenvolvimento Barzah, nos arredores de Damasco, um armazém de armas químicas – em que os EUA acreditam que estavam estoques de gás sarin –, e uma base que também teria armas químicas, esses dois últimos em Homs. Nesta segunda-feira, a Opaq deu início a uma reunião convocada em caráter de urgência, em Haia, sobre o suposto ataque químico de Duma. A reunião envolve o seu conselho executivo, que reúne 41 membros dos 192 países que integram a organização. EUA, Reino Unido e França bombardeiam alvos na Síria (Foto: Arte/G1)
Ler 98 vezes

Usuários Online

Temos 1585 visitantes e Nenhum membro online

VITRINE PUBLICITÁRIA

Astor Mallmann – Representante Telha Cer…

Green House

VIVO Multicell - Três Passos

Igreja Dom de Maravilha

Campeão de audiência

Vende-se prédio comercial em Humaitá

Anuncie aqui

Leitor Repórter

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

GERAL

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 72 mil…

POLÍCIA

Relojoaria é assaltada no centro de Três…

FENÔMENO

Maior eclipse lunar do século, 'lua de s…

DIVERSOS

Projeto Vereador Mirim é desenvolvido em…

DICAS

Gratidão – Como essa emoção pode ajudar …

ESPECIAL

Motorista relata aparição de mulher de b…

INUSITADO

Vídeo do último indígena sobrevivente de…

POLÍCIA

Quadrilha ataca banco com explosivos no …

ESPECIAL

Médico esquece pano na barriga de pacien…

TEMPO

Primeiro o calor, depois a chuva e agora…

GERAL

No Brasil, Facebook chega a 127 milhões …

CIDADE

Festa do Colono e Motorista é atração em…

...