Domingo, 15 Abril 2018 12:56

Supremo discute nesta terça-feira inelegibilidade de Demóstenes Torres

Avalie este item
(0 votos)

iG São Paulo

STF irá julgar a validade da decisão do ministro Dias Toffoli que suspendeu a inelegibilidade do ex-senador cassado pelo plenário do Senado em 2012

Demóstenes Torres foi cassado pelo Senado, sob a acusação de ter se colocado a serviço da organização criminosa

Demóstenes Torres foi cassado pelo Senado, sob a acusação de ter se colocado a serviço da organização criminosa

Foto: Agência Brasil

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decide nesta terça-feira se o ex-senador Demóstenes Torres poderá concorrer a um cargo eletivo nas eleições de 2018.

A Corte irá julgar a validade da decisão do ministro Dias Toffoli que suspendeu a inelegibilidade do ex-senador.

Em outubro de 2012, Demóstenes Torres foi cassado pelo plenário do Senado, sob a acusação de ter se colocado a serviço da organização criminosa supostamente comandada pelo empresário Carlinhos Cachoeira, conforme apontavam as investigações da Polícia Federal na Operação Monte Carlo.

No entanto, em abril do ano passado, a Segunda Turma do STF, da qual Toffoli faz parte, concedeu umhabeas corpusa Demóstenes e anulou escutas telefônicas que foram utilizadas para embasar o processo de cassação do parlamentar. Na ocasião, foi determinado também a reintegração do ex-senador ao Ministério Público de Goiás, no qual ingressou em 1987.

Com a decisão do habeas corpus, o ex-senador pediu neste ano que fosse restituído seu mandato, bem como que fosse afastada sua inelegibilidade. O relator, Dias Toffoli, não considerou plausível a volta dele ao cargo, mas diante da proximidade das eleições, deferiu o pedido para que ele concorra no pleito, antes que o mérito da questão seja julgado pela Segunda Turma.

Raquel Dodge é contra

Para Raquel Dodge, a pretensão de Demóstenes não poderia ser apresentada em forma de reclamação, uma vez que não há descumprimento por parte do Senado de nenhuma decisão do STF. A via correta seria um mandado de segurança, cuja apreciação caberia ao plenário da Corte e não à turma.

Outro aspecto questionado no recurso foi o fato de o ministro Dias Tofolli ter sido o escolhido para apreciar o pedido. “A pretensão do reclamante é apenas fruto de sua vontade sem qualquer amparo legal. O fundamento legal para não admitir esta prevenção é o mesmo que definiu o não cabimento da reclamação: a decisão judicial posterior ao ato reclamado não gera prevenção”, diz.

Leia também:Justiça dá as cartas em semana decisiva para Aécio, Maluf, Lula e Dirceu

A procuradora-geral acrescenta que a decisão do Senado Federal pela cassação deDemóstenes Torrestem caráter político e que a suspensão dessa medida, pela via judicial, afronta a separação dos poderes e a Lei Complementar nº 64/90, que estabeleceu hipóteses de inelegibilidade.

* Com informações da Agência Brasil

Ler 124 vezes

Galeria de Imagens

Usuários Online

Temos 574 visitantes e Nenhum membro online

.......

VITRINE PUBLICITÁRIA

Green House

VIVO Multicell - Três Passos

Igreja Dom de Maravilha

Vende-se prédio comercial em Humaitá

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DIVERSOS

Prefeito recepciona cavalarianos em Tira…

GERAL

Criança de um ano e nove meses morre afo…

ESPECIAL

Caminhonete estacionada na rua é furtada…

TEMPO

Rio Grande do Sul ainda pode ter chuva f…

TRÂNSITO

Jovem morre ao colidir motocicleta de fr…

GERAL

Horário de verão pode ser proibido em to…

ESPECIAL

Incêndio de grandes proporções é registr…

JUSTIÇA

Juiz que vendia sentenças via Whatsapp é…

TEMPO

Primavera será quente e chuvosa no Rio G…

TRÂNSITO

Carro fica destruído após saída de pista…

CIDADE

Ministério do Trabalho desinterdita frig…

TRÂNSITO

Carreta do Paraguai capota em rodovia no…