Domingo, 15 Abril 2018 13:21

"Fui ingênuo, mas não cometi crime", diz Aécio na véspera de julgamento no STF

Avalie este item
(0 votos)

iG São Paulo

Em artigo, o senador tucano diz que não houve irregularidade em pedido de R$ 2 milhões a Joesley e que foi vítima de armadilha montada por criminosos

PGR acusa Aécio Neves de tentar obstruir investigações; senador diz que denúncia é

PGR acusa Aécio Neves de tentar obstruir investigações; senador diz que denúncia é "desprovida de fundamento"

Foto: Pedro França/Agência Senado - 2.5.16

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) reconheceu que "cometeu erros" e disse que "foi ingênuo" ao aceitar empréstimo de R$ 2 milhões do empresário Joesley Batista, da JBS.

Apesar disso, o segundo presidenciável mais votado nas eleições de 2014 garantiu que "não cometeu nenhuma ilegalidade" e que não praticou "um ato sequer em favor da JBS".

A acusação de que o dinheirorecebido pelo tucanoconfigura crime de corrupção passiva consta dedenúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) que será julgada nesta terça-feira (17) pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). Além de Aécio Neves (que também é acusado por crime de obstrução à Justiça), também foram denunciados airmã dele, Andrea Neves, seu primo Frederico Pacheco de Medeiros e o assessor parlamentar Mendherson Souza Lima, que trabalha para o senador Zezé Perrella (PSDB-MG).

Em artigo publicado nesta segunda-feira (16) no jornal Folha de S.Paulo,Aécio disse que foi pego em uma "armadilha montada por criminosos" e repetiu a versão de que pretendia vender um apartamento a Joesley para conseguir arcar com os custos de sua defesa na Operação Lava Jato.

"Errei em aceitá-lo. Mas não cometi nenhum crime. Não houve nenhum prejuízo aos cofres públicos. Ninguém foi lesado. Não houve vantagem indevida, e a própria Procuradoria-Geral da República indicou que não houve nenhuma contrapartida no caso. Fui ingênuo, cometi erros e me penitencio diariamente por eles. Mas não cometi nenhuma ilegalidade", escreveu o senador.

Além de dizer que se "penitencia diariamente" pelos seus "erros", Aécio afirmou que se "arrepende profundamente" das "brincadeiras injustificáveis e de enorme mau gosto", além do "vocabulário inadequado" utilizado no encontro que teve com Joesley num hotel em São Paulo. Foi nessa conversa, gravada pelo empresário e que embasa a denúncia da PGR, em que o senador sugere o envio de alguém que possa ser morto para retirar o dinheiro que Joesley estava emprestando ("Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação").

"Meu primo, Frederico, é uma pessoa absolutamente correta, íntegra e não tem nenhuma responsabilidade pelos fatos ocorridos. Limitou-se a me fazer um favor ao receber um empréstimo pessoal, a mim dirigido, que não tinha nenhuma vinculação com o cargo que ocupo. Reitero a ele e ao seu amigo Menderson, que o acompanhou, o meu pedido público de desculpas pelas consequências que eles e suas famílias vêm sofrendo", lamentou Aécio.

Leia também:Supremo discute nesta terça-feira inelegibilidade de Demóstenes Torres

Obstrução à Justiça

O senador também foi acusado de teratuado para tentar obstruir a Justiça ao ter desempenhado"intensa atuação nos bastidores do Congresso Nacional" para impedir o avanço das investigações e a punição de políticos. A PGR também cita na denúnciaagravação de uma conversa entre o tucano e Joesley, na qual Aécio menciona suposta estratégia para direcionar as distribuições de inquéritos da Lava Jato para delegados pré-selecionados.

Aécio diz queessa acusação "é também desprovida de fundamento". "Acusam-me por votos que dei no Senado e por opiniões que externei em conversa particular, sem que tivessem nenhum desdobramento fático", disse o tucano.

Por fim, o parlamentar disse que não vai "esmorecer" e que "seguirá em frente". "Porque sei que a verdade vai prevalecer", escreveu.

No fim do mês passado, a atual chefe da PGR, Raquel Dodge,encaminhou manifestação ao Supremo defendendo que Aécio se torne réu.“O caráter de vantagem indevida dos valores solicitados por Aécio Neves e por Andréa Neves a Joesley Batista fica claro quando o senador afirma que a pessoa que iria receber as parcelas deveria ser alguém 'que a gente mata ele antes de fazer delação'”, frisou a procuradora-geral.

Responsável por decidir se Aécio Neves se tornará ou não réu em ação penal, aPrimeira Turma do STF é composta pelo relator, Marco Aurélio, e pelos ministros Rosa Weber, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes.

Ler 217 vezes

Galeria de Imagens

Usuários do Dia

Temos 65958 visitantes e Nenhum membro online

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

GERAL

Surto de vírus deixa várias pessoas doen…

POLÍCIA

Mais um foragido é preso no centro da ci…

TEMPO

Outono no RS deve ser marcado por La Niñ…

REGIÃO

Homem morre de choque elétrico ao usar l…

ESTADO

Ameaças de ataque contra escola colocam …

CIDADE

Ex-aluno do Ipiranga é aprovado em seis …

REGIÃO

Construção do Hospital Regional já tem e…

ESPECIAL

Interposto recurso para aumentar a pena …

ESPECIAL

Sine de Três Passos começa a semana com …

GERAL

CPF passará a valer como documento único

ESPECIAL

Preso mais um acusado de latrocínio na c…

TRÂNSITO

Motorista morre eletrocutado após aciden…