Terça, 15 Maio 2018 13:22

PGR se manifesta contra redução automática de foro para governadores

Avalie este item
(0 votos)

iG São Paulo

Vice-procurador-geral argumentou que o STJ não deve aplicar entendimento do Supremo as demais autoridades; assunto deve ser pautado no tribunal

Vice-procurador-geral argumentou que o STJ não deve aplicar entendimento do Supremo as demais autoridades

Vice-procurador-geral argumentou que o STJ não deve aplicar entendimento do Supremo as demais autoridades

Foto: Divulgação/STJ

O vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, defendeu, nesta quarta-feira (16), que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) continue sendo a instância competente para, originariamente, processar e julgar governadores e outras autoridades, conforme prevê a Constituição Federal.

Alegando razões de segurança jurídica, o vice-PGR entregou um memorial aos 15 ministros que integram a corte especial do STJ, argumentando não ser cabível a aplicação automática do entendimento aprovado pelo Supremo Tribunal Federal que, no dia 3 de maio, restringiu a prerrogativa de foro por função no caso de deputados federais e senadores.

O assunto deve ser analisado na sessão desta quarta-feira (16), em questão de ordem apresentada em três processos em andamento.

No documento, Maia lembra que a extensão dos efeitos da decisão do STF foi proposta pelo ministro Dias Tofolli, mas a matéria não foi apreciada. “Dessa forma, continua válida e inalterada a competência do Superior Tribunal de Justiça, a consequência sendo a tramitação dos autos perante este Tribunal da Cidadania”, destaca em um dos trechos do memorial.

Leia também:Procurador volta atrás e mantêm inquérito contra Alckmin com promotoria

Outras autoridades também têm direito ao foro

Além dos governadores, a Constituição prevê que desembargadores dos tribunais de justiça e dos tribunais regionais federais (TRFs), os conselheiros de tribunais de contas dos estados e dos municípios e membros do Ministério Público da União (MPU) sejam processados e julgados pelo STJ.

O vice-PGR ressaltaas diferenças desses cargos com os exercidos por parlamentares. Como exemplo, ele cita a vitaliciedade – garantia assegurada a parte dessas autoridades – e a forma de investidura de outras que, em alguns casos, como os conselheiros de cortes de contas, depende de nomeação pelo respectivo chefe do Poder Executivo.

Leia também:Fachin prorroga inquérito contra Eunício e Rodrigo Maia por mais 60 dias

Para Luciano Mariz Maia, “a elevação do juízo natural”, determinada pela Constituição, tem o propósito de assegurar a realização de um julgamento justo, por um órgão independente e imparcial como o STJ. “A autoridade dos ministros do Superior Tribunal de Justiça transmite segurança e tranquilidade para investigados e denunciados, assim como para os cidadãos. É a garantia de que não temem nem se curvam ao poder das elevadas autoridades nos Estados membros ou no Distrito Federal”, afirma.

Ler 287 vezes

Galeria de Imagens

Usuários do Dia

Temos 13976 visitantes e Nenhum membro online

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

POLÍCIA

Mulher investe contra a Brigada Militar …

TRÂNSITO

Acidente com vítima fatal na ERS-569, no…

ESPECIAL

Briga generalizada é registrada em jogo …

GERAL

Motoqueiro cai durante apresentação do G…

TRÂNSITO

Saída de pista deixa duas mulheres ferid…

TEMPO

Ciclone chega ao Brasil nesta segunda e …

ESPECIAL

Terrenos sujos e o alto risco de dengue …

ESPECIAL

Presos membros da facção Os Manos que vi…

POLÍTICA

Por que brigar com Maia é mau negócio pa…

TRÂNSITO

Veículo desgovernado invade pátio de res…

CIDADE

Grupo Picorruchos arrecada doações para …

TRÂNSITO

Carreta tomba na BR-158 e motorista fica…