Sexta, 25 Maio 2018 20:38

Prefeito investigado por assédio sexual pode ser cassado no RS

Avalie este item
(0 votos)

Foto: Reprodução

A Câmara de Vereadores de Não-Me-Toque, no Norte do Rio Grande do Sul, deu início a uma comissão processante contra o prefeito da cidade, Armando Carlos Roos (PP), que é investigado por suspeita de assédio sexual. Ao final do processo, Roos pode ter o mandato cassado.

"Pode haver a cassação imediata se o plenário acatar um possível parecer da comissão. Se for contrário ao prefeito municipal, pode gerar essa cassação", explica o relator da comissão, vereador Alberto Maurer (PDT).

Há mais de um mês, o prefeito já era investigado por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). O objetivo era reunir documentos para apresentar ao Ministério Público (MP) ou abrir uma comissão processante para julgar Roos. Na semana passada, servidoras que denunciaram o suposto assédio apresentaram um relatório à Câmara de Vereadores.

"Com essa denúncia, quase que pulou essa etapa da investigação e já trouxe a exposição dos fatos que comprovam os atos da acusação", afirma o relator.

O prefeito recebeu o prazo de 10 dias para apresentar a própria defesa. Por enquanto, ele trabalha na elaboração dos documentos e, pela primeira vez, decidiu se manifestar sobre as denúncias em coletiva de imprensa.

Sobre o vídeo gravado por uma mulher no seu gabinete, em que ele teria pedido favores sexuais a ela em troca de um cargo público, se diz ser inocente e que as denúncias se tratam de uma armação.

"Não tem veracidade nenhuma. Essa senhora não era funcionária da prefeitura, portanto não há uma conotação de assédio sexual. Nenhuma das denunciantes usadas nesse processo de cassação junto aos vereadores têm nenhuma prova", afirma o prefeito.

Roos pretende continuar exercendo as funções do cargo durante o prazo de 90 dias que a comissão tem para analisar os documentos e ouvir testemunhas. "Eu quero sair daqui no fim do mandato, seja ele por término de prazo ou cassação, sendo o mesmo cidadão de quando entrei. Por isso, eu não vou atrás de fofoca".

A investigação que corre na procuradoria de prefeitos, do Ministério Público, ainda não foi concluída. Se o prefeito for cassado, ele perde o foro privilegiado e o processo é remetido à comarca de Não-Me-Toque, para que ele seja investigado como pessoa civil.

G1 RS

Ler 804 vezes

Usuários Online

Temos 166583 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ESPECIAL

Acidente deixa homem gravemente ferido n…

TRÂNSITO

Colisão em ponte deixa dois feridos na B…

REGIÃO

Homem morre após ser picado por cobra no…

DIVERSOS

Edital para processo seletivo simplifica…

ESPORTES

Meta do Grêmio é se garantir na Libertad…

SEXO

Posições amorosas para casais que querem…

COMPORTAMENTO

Imagem corporal: influenciadora muda háb…

BICHOS

Entenda porque as vitaminas para cachorr…

MODA

Gabriela Pugliesi e famosas usam biquíni…

FAMOSOS

A guerra de versões na mídia sobre o fim…

SAÚDE

Uma em cada dez mortes por câncer de mam…

ESTADO

Recurso para ponte no rio Uruguai no Nor…