Sexta, 25 Maio 2018 21:08

Avião de Temer fica sem combustível para viagens

Foto: Reprodução

Não são apenas cidadãos comuns e passageiros da aviação comercial que enfrentam transtornos com a crise de abastecimento de combustíveis. A falta de querosene de aviação (QAV) no aeroporto internacional de Brasília afeta também a aeronave que atende ao presidente Michel Temer.

— Se o presidente precisar se deslocar para um destino longo, terá muita dificuldade, disse uma fonte ligada à Presidência da República.

Segundo esta mesma fonte, a equipe responsável pelos deslocamentos de Temer também foi pega de surpresa com o desabastecimento que afeta o aeroporto de Brasília e outros 10 terminais. O gabinete presidencial teria sido alertado sobre a dificuldade de decolagem da aeronave presidencial, a depender do destino.

O ACJ319, fabricado pela Airbus, tem autonomia máxima de 9 horas e 45 minutos de voo, equivalente a uma viagem entre Zurique, na Suíça e Havana, em Cuba.  O problema, no entanto, é que, segundo a mesma fonte, não haveria combustível suficiente estocado em Brasília para um percurso semelhante. Para percursos menores é possível que haja combustível, mas a FAB não informa quanto.

Uma saída para a FAB, caso tenha combustível para um voo mais curto, seria voar com a avião presidencial até os aeroportos de Guarulhos ou Galeão, abastecidos com dutos da Petrobras, para um reabastecimento. Os terminais não dependem de rodovias. Essa possibilidade, no entanto, também não é confirmada pela FAB.

Além do presidente da República, a FAB transporta autoridades, como ministros de Estado e de tribunais superiores e órgãos para transplante.

O Palácio do Planalto não informou a quantidade de querosene armazenado atualmente na Base Aérea nem a autonomia de voo possível que o jato presidencial teria para voar na data de hoje. Questionada, a Força Aérea respondeu que perguntas específicas sobre deslocamentos presidenciais deveriam ser encaminhadas ao Palácio do Planalto. Já a assessoria de Temer contradisse os militares, e afirmou que o esclarecimento caberia a Força Aérea Brasileira.

Sobre a quantidade de querosene de aviação armazenada, a FAB limitou-se a informar que "está preparada para eventuais contingências, de modo a não comprometer suas missões essenciais".

Criticada por ter feito uma escala em Portugal, quando retornava de uma viagem à Suiça, em 2014, a ex-presidente Dilma Roussef reprovou a autonomia de voo do modelo que serve a presidencia da República, em comparação com os jatos oficiais de outros líderes internacionais. Por não ter autonomia, o jato brasileiro precisa fazer várias escalas em viagens internacionais longas. O ACJ319 usado pela Presidência foi comprado pelo ex-presidente Lula, que decidiu aposentar o antigo Sucatão, um Boeing 707 que transportou presidentes brasileiros entre 1986 e 2005. O Airbus foi apelidado de 'Aerolula'.

R7

Ler 1326 vezes

Usuários Online

Temos 1282 visitantes e Nenhum membro online

VITRINE PUBLICITÁRIA

Promoção ZERO GRAU!

Green House

VIVO Multicell - Três Passos

Igreja Dom de Maravilha

Campeão de audiência

Vende-se prédio comercial em Humaitá

Anuncie aqui

Leitor Repórter

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

INUSITADO

Vídeo mostra menor fugindo da polícia em…

POLÍCIA

Caçadores que mataram onça ameaçada de e…

TEMPO

Terça-feira com possibilidade de tempera…

TRÂNSITO

Jovem morre ao colidir em carreta estaci…

GERAL

Empresário doa ambulância de R$ 250 mil …

JUSTIÇA

Prefeito é denunciado por pedofilia no N…

ESPECIAL

Trator cai em esterqueira no interior de…

ESPECIAL

Bergamoteira surpreende pela grande quan…

TRÂNSITO

Caminhão fica preso em barranco em Tirad…

POLÍCIA

Homem esfaqueado segue internado na UTI …

MUNDO

Com doença terminal, mãe escreve cartas …

REGIÃO

Homem morre afogado em rio no Noroeste d…

...