Domingo, 17 Junho 2018 16:58

Se tivessem oportunidade, 62% dos jovens deixariam o Brasil, aponta pesquisa

Avalie este item
(0 votos)

Foto: Reprodução

Cerca de 70 milhões de brasileiros com 16 anos ou mais deixariam o Brasil se tivessem oportunidade, aponta uma pesquisa do instituto Datafolha feita em todo o País no mês passado. O levantamento revela que 43% da população adulta manifestou desejo de sair do Brasil. Entre os que têm de 16 a 24 anos, a porcentagem salta para 62%. São 19 milhões de jovens que gostariam de deixar o Brasil, o equivalente a toda a população de Minas Gerais.

O êxodo não fica apenas na intenção. O número de vistos para imigrantes brasileiros nos EUA, país preferido dos que querem se mudar, chegou a 3,36 mil em 2017, o dobro de 2008, início da crise global. Os pedidos de cidadania portuguesa aceleraram. Só no consulado de São Paulo, houve 50 mil concessões desde 2016. No mesmo período, dobrou o número de vistos para estudantes, empreendedores e aposentados que pretendem fixar residência em Portugal.

“Há fatores de sucesso e de fracasso que explicam isso”, avalia o professor de economia da Universidade Ramon Llull, em Barcelona, Flavio Comin. Um deles é que hoje é mais fácil se mudar: “Na internet dá para ver a rua onde se pretende morar, a sala do apartamento que se quer alugar”. Há também grande frustração. “O Brasil de 2010 promoveu as expectativas de que o País seria diferente. O tombo foi maior quando se descobriu que não estávamos tão bem quanto se dizia”, afirma. Segundo Comin, nos últimos anos seus alunos começaram a pedir cartas de referência para trabalho, “com o claro propósito de mudar permanentemente para o exterior”.

Não só os jovens querem ir embora. Há maioria também entre os que têm ensino superior (56%) e na classe A/B (51%). É o caso da produtora Cássia Andrade, 45 anos, que vendeu o seu apartamento em São Paulo e embarca para o Canadá até agosto. “Não quero virar Uber nem vender brigadeiros. Trabalho com arte há 30 anos e estou em plena fase produtiva. Não faz sentido ficar só porque sou brasileira e não desisto nunca”, justifica. Cássia só não fechou a sua empresa porque pretende continuar trabalhando com projetos brasileiros.

Essa possibilidade de continuar atuando no Brasil mesmo de fora é um dos fenômenos que atenuam a chamada “fuga de cérebros”, afirma o pesquisador do Cepesp FGV Marcos Fernandes. Na área acadêmica, os brasileiros passam a trabalhar na fronteira do conhecimento e exportam esse conhecimento para o Brasil por meio de parcerias e projetos individuais.

Já no caso de profissionais de nível técnico ou empreendedores, o intercâmbio é mais difícil. Mas, segundo Fernandes, há evidência empírica de que a saída de talentos é um movimento de curto prazo. “A não ser em casos de guerra civil ou falência do Estado, boa parte deles acaba voltando.” No médio prazo, portanto, o Brasil pode ganhar profissionais mais bem formados e experientes.

O Sul

Ler 437 vezes

Usuários do Dia

Temos 12891 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ESPECIAL

Jovem morre ao ser atingido por disparos…

GERAL

Tiago Linck palestra em seminário interm…

POLÍCIA

Mãe vê filho ser morto por segurança com…

ESPECIAL

Homem é preso com produtos de origem est…

ESTADO

Saiba qual cidade gaúcha tem mais usuári…

ESPORTES

Com vermelho fosco, Ferrari apresenta ca…

ESPORTES

Cuca fala sobre carinho pelo São Paulo e…

POLÍCIA

Corpo do gerente do Sicredi pode ter sid…

ESTADO

Projeto prevê fim da aposentadoria espec…

POLÍCIA

Quadrilha gaúcha é presa no Paraná pelo …

TRÂNSITO

Jovem de 21 anos morre em acidente na BR…

ESPECIAL

Homem é suspeito de molestar criança de …