Segunda, 09 Julho 2018 18:23

Senado aprova projeto de lei sobre proteção de dados pessoais na internet

Avalie este item
(0 votos)

iG São Paulo

Com isso, o Brasil se junta a diversos países do mundo, que já possuem legislação sobre o tema. O projeto agora vai a sanção da presidência

Senado aprova projeto de lei que versa sobre a proteção de dados pessoais

Senado aprova projeto de lei que versa sobre a proteção de dados pessoais

Foto: Agência Senado/Divulgação

O Senado aprovou nesta terça-feira (10) um Projeto de Lei da Câmara que tratasobre a proteção dos dados pessoais e define as situações em que estes podem ser coletados e tratados por empresas ou pelo Poder Público.

O textofoi aprovado nos termos do conteúdo votado na Câmarados Deputados no fimde maio.

Leia também:STJ nega habeas corpus a Lula e reafirma incompetência de plantonista

Com isso, o Brasil se junta a diversos países do mundo que já possuem legislação sobre a proteção de dados pessoais. O projeto agora vai a sanção da presidência da República.

Fica definida no PL a forma como as informações podem ser coletadas e tratadas, especialmente na internet. A proposta valepara dados pessoais de cadastro ou até mesmo textos e fotos publicadas em redes sociais.

“Todas as entidades, sem nenhuma exceção, foram partícipes na construção do projeto de lei e estamos votando algo que é uma unanimidade”, afirmou a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

“Estamos vivendo a revolução das redes sociais. Agora vamostermarco regulatório que permite que cidadão possa acionar aqueles que fizerem mau uso de seus dados”, acrescentou o senador Jorge Viana (PT-AC).

Entenda o projeto de lei de proteção de dados pessoais

OPLC 53considera dados pessoais a informação relacionada a uma pessoa que seja “identificada” ou “identificável”. Ou seja, o projeto de lei regula também aquele dado que, sozinho, não revela a quem estaria relacionado (um endereço, por exemplo) mas que, processado juntamente com outros, poderia indicar de quem se trata (o endereço combinado com a idade, por exemplo).

Leia também:Ex-jogador e senador, Romário tem carros e lancha apreendidos pela Justiça

Foi criada uma categoria especial, denominada dados “sensíveis”, que abrange registros de raça, opiniões políticas, crenças, condição de saúde e características genéticas. O uso desses registros fica mais restrito, já que traz riscos de discriminação e outros prejuízos à pessoa.

Também há parâmetros diferenciados para processamento de informações de crianças, como a exigência de consentimento dos pais e a proibição de condicionar o fornecimento de registros à participação em aplicações (como redes sociais e jogos eletrônicos).

O projeto abrange operações de tratamento realizadas no Brasil ou a partir de coleta de dados feita no país. A norma vale para empresas que ofertem bens e serviços ou tratem informações de pessoas que estão aqui.

Assim, por exemplo, por mais que o Facebook recolha registros de brasileiros e faça o tratamento em servidores nos Estados Unidos, ele teria de respeitar as regras. Também é permitida a transferência internacional de dados (como no exemplo citado), desde que o país de destino tenha nível de proteção compatível com a lei ou quando a empresa responsável pelo tratamento comprovar que garante as mesmas condições exigidas pela norma por instrumentos como contratos ou normas corporativas.

Ficaram de fora das obrigações o tratamento para fins pessoais, jornalísticos e artísticos. Também não são cobertos o processamento de informações em atividades de segurança nacional, segurança pública e repressão a infrações.

O Poder Público ganhou também a possibilidade de tratar dados sem consentimento das pessoas, em determinadas situações, como na execução de políticas públicas. Para isso, o órgão deve informar em seusiteem que hipótese o processamento de dados é realizado, sua finalidade e quais são os procedimentos adotados.

Para coletar um dado, a empresa precisa solicitar o consentimento do titular. Essa autorização deve ser solicitada de forma clara. Caso uma empresa colete um dado para uma coisa e mude sua finalidade, deve obter novo consentimento. A permissão dada por alguém, entretanto, pode ser revogada se o titular assim o desejar.

O projeto prevê, contudo, algumas situações em que este não é necessário, como a proteção da vida, o cumprimento de obrigação legal e procedimento de saúde.

A exceção mais polêmica é chamada de “legítimo interesse”, que na prática permite a uma empresa coletar um dado para um propósito e usá-lo para outro, desde que para “finalidades legítimas” e a “partir de situações concretas”. Nesse caso, somente os dados “estritamente necessários” podem ser manejados.

Outra obrigação das empresas incluída no relatório do deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) é a garantia da segurança dos dados, impedindo acessos não autorizados e qualquer forma de vazamento.

A redação prevê direitos ao titular, que pode solicitar acesso às informações que uma empresa tem dele - incluindo a finalidade, a forma e a duração do tratamento - e se houve uso compartilhado com algum outro ente e com qual finalidade.

Também é possível requisitar a correção de um dado incompleto, a eliminação de registros desnecessários ou excessivos e a portabilidade para outro provedor de serviço. Ou seja, o usuário de uma conta dee-mailpodetertodas as suas mensagens, caso deseje abrir conta em outro serviço deste tipo. O titular também pode solicitar a revisão de uma decisão automatizada baseada em seus dados, como uma classificação para obtenção de crédito, por exemplo.

Fiscalização e órgão regulador

Foi proposta também a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, que ficará responsável pela edição de normas e fiscalização das obrigações previstas na lei.

Essa autoridadeterá poder, por exemplo, para exigir relatórios de impacto à privacidade de uma empresa, que deve identificar como o processamento é realizado, as medidas de segurança e as ações para reduzir riscos.

Se o órgão constatar irregularidades, pode aplicar uma série de sanções, entre as quais multa de até 2% do faturamento da empresa envolvida, com limite de R$ 50 milhões, o bloqueio ou eliminação dos dados tratados de maneira irregular e a suspensão ou proibição do banco de dados ou da atividade de tratamento.

O projeto de lei que trata da proteção de dados pessoais também institui o Conselho Nacional de Proteção de Dados, formado por representantes do Poder Público, da sociedade civil, de empresas e de instituições científicas e tecnológicas.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também:Mais de 60% dos ‘seguidores’ de Álvaro Dias no Twitter são robôs

Ler 65 vezes

Galeria de Imagens

Usuários Online

Temos 2332 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

TRÂNSITO

Motociclista foge 23 km após esconder pl…

GERAL

Menino de 3 anos morre afogado em piscin…

REGIÃO

Cabine de trator salva vida de agriculto…

CIDADE

Corpo de Bombeiros de Três Passos atende…

ESPECIAL

Frente fria provoca altos volumes de chu…

ESPORTES

Espanha junta os cacos para enfrentar a …

ESPORTES

Com Espanha de olho, Inglaterra e Croáci…

ESPORTES

Empate por 0 a 0 com a Itália classifica…

ESPORTES

Itália e Portugal duelam pela Liga das N…

FENÔMENO

Professor registra 'cachoeira vinda do c…

TRÂNSITO

Colisão entre caminhonete e caminhão cau…

ESPORTES

Ex-Palmeiras, Dinei é campeão da segunda…