Terça, 10 Julho 2018 14:12

Cármen Lúcia garante pensão por morte às filhas de servidores públicos

Avalie este item
(0 votos)

iG São Paulo

Decisão trará impacto de ao menos R$ 550 milhões por ano aos cofres públicos; para o Tribunal de Contas, benefícios irregulares estão sendo pagos

Presidente do STF, ministra Cármen Lúcia

Presidente do STF, ministra Cármen Lúcia

Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF - 15.3.18

A ministra Cármen Lúcia, presidenta do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta quarta-feira (11) a retomada do pagamento de pensão por morte a duas filhas de servidores federais.

Leia também:Cármen Lúcia: resposta judicial deve ocorrer sem quebra de hierarquia

O caso chegou ao STF após o Tribunal de Contas da União (TCU) determinar o fim do pagamento.

Cármen Lúcia avaliou que o pagamento deve ser retomado porque, em maio, uma decisão anterior do ministro Edson Fachin derrubou o entendimento do TCU que determinava a revisão e o cancelamento de pensões por morte concedidas a filhas de servidores civis maiores de 21 anos que tenham outras fontes de renda.

A lei em debate estipulava que “a filha solteira, maior de 21 anos, só perderá a pensão temporária quando ocupante de cargo público permanente”. A norma, contudo, foi revogada, mas se estima que cerca de 50 mil pensionistas seguem recebendo o benefício.

A nova lei não inclui filhas maiores de 21 anos no rol de dependentes habilitados a receber pensão por morte. Com base nessa nova legislação e após uma varredura em mais de 100 órgãos públicos, o TCU identificou 19.520 benefícios com indícios de irregularidade.

Leia também:Ministra que negou HC a Lula já mandou Abdelmassih para casa durante plantão

Segundo o Tribunal de Contas, a revisão de pensões irregulares, impedida por Cármen Lúcia, poderia proporcionar uma economia de até R$ 2,2 bilhões aos cofres públicos num período de quatro anos.

O voto de Cármen Lúcia

“Seu indeferimento poderia conduzir à ineficácia da medida se a providência viesse a ser deferida somente no julgamento de mérito por ter a pensão natureza alimentar, com gravosas consequências do não recebimento pelas impetrantes”, decidiu a presidenta da mais alta corte da Justiça no país.

Pelo entendimento firmado com a decisão de Edson Fachin, o regime para a concessão do benefício deve ser aquele vigente no momento da morte do servidor.

“Assim, enquanto a titular da pensão permanece solteira e não ocupa cargo permanente, independentemente da análise da dependência econômica, porque não é condição essencial prevista em lei, tem ela incorporado ao seu patrimônio jurídico o direito à manutenção dos pagamentos da pensão”, determinou o ministro Fachin, no que foi acompanhado por Cármen Lúcia.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também:CNJ abre investigação contra Sérgio Moro, Favreto e Gebran Neto

Ler 140 vezes

Galeria de Imagens

Usuários do Dia

Temos 29323 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ESPECIAL

Jovem é apreendido por tráfico de drogas…

ESPORTES

Só falta assinar! Éder Militão já está a…

REGIÃO

Sine oferece mais de 70 vagas de emprego…

DIVERSOS

Palestra com Tiago Linck dá início ao an…

REGIÃO

Jovem vítima de acidente de trabalho sou…

SEGURANÇA

Mais uma fuga de presos é registrada no …

ESPORTES

Nenhum dos grandes times paulistas tem a…

ESPORTES

Confira todos os carros que estarão na F…

POLÍTICA

Comissão do Senado aprova projeto que to…

POLÍTICA

Bolsonaro assina pacote anticrime que se…

POLÍTICA

Indicado à presidência do Banco Central …

ESPECIAL

Carro para na BR-468 e causa acidente co…