Quarta, 08 Agosto 2018 23:15

Garota de 14 anos mata o pai e vai para a escola no RS

Avalie este item
(4 votos)

Caso aconteceu em Eldorado do Sul Foto: Ilustração

Uma rotina que, conforme a polícia, incluiria violência doméstica, terminou em tragédia, com um homicídio em família, em Eldorado do Sul, na Grande Porto Alegre. Desta vez, diferentemente da maioria dos casos, o suposto agressor acabou sendo a vítima, e o autor do crime, a própria filha, de 14 anos. O caso ocorreu no início da semana passada.

A adolescente, filha única, retornaria às aulas após as férias de julho. Como sempre fazia em dias de escola, acordou cedo e arrumou-se. A mãe havia saído para trabalhar, e o pai dormia.

Antes de sair de casa, a estudante tomou a atitude que mudaria a história da família. Ainda com o pai dormindo, no início da manhã, pegou a arma dele, um revólver calibre 38, aproximou-se e disparou uma vez contra seu peito — ele morreu na hora. O disparo não chegou a ser ouvido pelos vizinhos.

Na sequência, a adolescente foi até o comércio da família, no outro lado da rua, e relatou à mãe o que havia feito. A mulher, então, foi para casa, onde encontrou o marido morto na cama. Já a filha seguiu para a escola, onde, cerca de uma hora depois, a polícia a encontrou. Os policiais foram acionados pela mãe.

De acordo com o delegado Rodrigo Caldas, já foram ouvidas quase todas as testemunhas. Os depoimentos da adolescente e da mãe teriam esclarecido o caso. A filha confessou ter matado o pai.

— Vamos concluir o inquérito e enviá-lo para o Judiciário com as conclusões — explica Caldas.

A polícia apurou que haveria histórico de agressões e abusos por parte da vítima.

— Relatos de pessoas apontam que elas sempre tiveram medo de denunciá-lo à polícia, pois ele as ameaçava — resume o delegado.

GaúchaZH apurou com vizinhos, que preferiram não se identificar, que a adolescente sofreria há pelo menos quatro anos com as atitudes do pai. A mãe também seria vítima de agressão.

— Nossa ideia inicial seria por pedido de internação da adolescente (na Fundação de Atendimento Socioeducativo, a Fase). Mas, com o Ministério Público e o Judiciário, optou-se pelo acolhimento junto a uma entidade — disse Caldas em relação à situação da estudante.

GaúchaZH

Ler 7527 vezes

Usuários do Dia

Temos 53279 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ESPECIAL

Homem procurado da Justiça é preso na ci…

POLÍCIA

Jovem desaparecido é localizado às marge…

FENÔMENO

Maior superlua de 2019 iluminará o céu n…

INUSITADO

Veículo invade estabelecimento comercial…

MUNDO

Casal de velhinhos comete suicídio para …

ESPECIAL

Jovem é apreendido por tráfico de drogas…

POLÍCIA

Imagens mostram atropelamento de catador…

REGIÃO

Sine oferece mais de 70 vagas de emprego…

DIVERSOS

Palestra com Tiago Linck dá início ao an…

REGIÃO

Jovem vítima de acidente de trabalho sou…

SEGURANÇA

Mais uma fuga de presos é registrada no …

POLÍTICA

Comissão do Senado aprova projeto que to…