Quarta, 08 Agosto 2018 23:15

Garota de 14 anos mata o pai e vai para a escola no RS

Avalie este item
(4 votos)

Caso aconteceu em Eldorado do Sul Foto: Ilustração

Uma rotina que, conforme a polícia, incluiria violência doméstica, terminou em tragédia, com um homicídio em família, em Eldorado do Sul, na Grande Porto Alegre. Desta vez, diferentemente da maioria dos casos, o suposto agressor acabou sendo a vítima, e o autor do crime, a própria filha, de 14 anos. O caso ocorreu no início da semana passada.

A adolescente, filha única, retornaria às aulas após as férias de julho. Como sempre fazia em dias de escola, acordou cedo e arrumou-se. A mãe havia saído para trabalhar, e o pai dormia.

Antes de sair de casa, a estudante tomou a atitude que mudaria a história da família. Ainda com o pai dormindo, no início da manhã, pegou a arma dele, um revólver calibre 38, aproximou-se e disparou uma vez contra seu peito — ele morreu na hora. O disparo não chegou a ser ouvido pelos vizinhos.

Na sequência, a adolescente foi até o comércio da família, no outro lado da rua, e relatou à mãe o que havia feito. A mulher, então, foi para casa, onde encontrou o marido morto na cama. Já a filha seguiu para a escola, onde, cerca de uma hora depois, a polícia a encontrou. Os policiais foram acionados pela mãe.

De acordo com o delegado Rodrigo Caldas, já foram ouvidas quase todas as testemunhas. Os depoimentos da adolescente e da mãe teriam esclarecido o caso. A filha confessou ter matado o pai.

— Vamos concluir o inquérito e enviá-lo para o Judiciário com as conclusões — explica Caldas.

A polícia apurou que haveria histórico de agressões e abusos por parte da vítima.

— Relatos de pessoas apontam que elas sempre tiveram medo de denunciá-lo à polícia, pois ele as ameaçava — resume o delegado.

GaúchaZH apurou com vizinhos, que preferiram não se identificar, que a adolescente sofreria há pelo menos quatro anos com as atitudes do pai. A mãe também seria vítima de agressão.

— Nossa ideia inicial seria por pedido de internação da adolescente (na Fundação de Atendimento Socioeducativo, a Fase). Mas, com o Ministério Público e o Judiciário, optou-se pelo acolhimento junto a uma entidade — disse Caldas em relação à situação da estudante.

GaúchaZH

Ler 7104 vezes

Usuários Online

Temos 154042 visitantes e 5 membros online

.......

{module Banner Centro da Pagina Notícias}

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

GERAL

Mais de 3 mil motoristas são multados na…

TRÂNSITO

Uso do celular ao volante é a terceira m…

ESTADO

Shopping no interior do RS oferece 2 mil…

TRÂNSITO

Caminhão tomba na BR 386 e populares aju…

CIDADE

Vagas de emprego abertas no Sine de Três…

CIDADE

Moradora faz festa para as crianças há 1…

TRÂNSITO

Veículo fica partido ao meio ao colidir …

GERAL

5ª Cavalgada da Divina Proteção às Crian…

GERAL

Grupo de amigos distribui doces para as …

JUSTIÇA

Réu do caso Bernardo tem pedido de liber…

REGIÃO

Homem é vítima de choque elétrico no Nor…

POLÍCIA

Quadrilha foge da polícia e é presa após…