Segunda, 08 Outubro 2018 11:04

Eleição renovadora e diferente: o eleitor descobriu sua autonomia

Avalie este item
(0 votos)

iG São Paulo

Em sua coluna na Rádio Itatiaia, o jornalista Alexandre Garcia traçou o perfil do eleitor nos tempos atuais, onde a campanha eleitoral perdeu o monopólio

Pesquisas contraditórias, disputas polarizadas, discurso de ódio. Esses e muitos outros temas foram assunto durante o primeiro turno da eleição 2018. Por outro lado, o melhor deles, o que se viu foi um eleitor mais atento, ligado nas notícias e com liberdade para poder escolher com mais fidelidade o seu candidato.

Leia também:Após apoio de Doria a Bolsonaro, Márcio França afirma neutralidade

Eleição de 2018 conheceu um novo eleitor

Eleição de 2018 conheceu um novo eleitor

Foto: Reprodução/Twitter

Em sua coluna na Rádio Itatiaia, o jornalista Alexandre Garcia abordou o resultado do primeiro turno da eleição e ressaltou o importante papel do celular e das mídias sociais na hora de informar o leitor.

"O que dizer sobre esse dia memorável que foi o domingo (7)? Eu já passei por 34 eleições, desde 1960 quando foi o meu primeiro voto. Nunca vi uma eleição assim tão democrática. Pela primeira vez, o eleitor está liberto de tutela, de um modo geral. Pode ser que ainda exista aquele que voto para receber Bolsa Família, clientelismo, voto de cabresto.

Pode haver isso ainda, mas a rede social libertou o eleitor de outras influências, da televisão, do rádio, dos jornalistas, dos artistas, a pessoa tá pensando por si, está sendo soberana no voto. Eu estou notando isso pela primeira vez.

Havia aquela história de levar gente para votar, de distribuir alguma coisa. A influência de ter um único meio de informação. Hoje não, o meio de informação principal das pessoas está no seu bolso, na sua mão. É o telefone celular.

Como disse a Miriam Leitão, Bolsonaro é um fenômeno eleitoral. Sem dinheiro, sem partido, sem comitê, sem mídia favorável. Aliás, a mídia quase totalmente oposta a ele, com a maior parte dos artistas contra ele, mas foi uma influência que não atingiu o eleitor. Ele ficou com a maioria. A maioria que se manifestou contrária à esquerda, a ideologia de gênero, a consagração de novidades que contrariam a família tradicional, aqueles que pregam o fim do mérito, o racismo, querem incentivar o sexismo. Ao contrário, entrou a patriotismo, a família, a segurança.

Leia também:Novo e PP decidem não apoiar ninguém e adotar neutralidade no 2º turno

Foi recebido como novidade, um deputado que já está lá há mais de 20 anos. É novidade porque não se contaminou, não entrou em nada de corrupção, mentira e essas coisas.

Como disse o Ministro da Segurança Pública Raul Jungmann foi uma vitória da democracia e um fiasco de quem inventou uma polarização nessa eleição. O que houve de surpresa é que quem pensou que fossem uma verdade absoluta as pesquisas de eleição.

As pesquisas ficam contando agora que o eleitor na reta final fez isso e fez aquilo. Não! A pesquisa que teve que correr, eu acho que o leitor não é esquizofrênico que muda de ideia de repente. A pesquisa teve que se adaptar a realidade. A gente fica desconfiando qual era a intenção de dar, por exemplo, Dilma Rousseff liderando para o Senado em Minas Gerais, só no último dias as pessoas desistiram de votar nela e ela ficou em quarto lugar?

O Zema que de repente vai para primeiro lugar e não estava nem aparecendo. O Witzel, no Rio de Janeiro, não estava nem aparecendo nas pesquisas, de repente está em primeiro lugar na realidade das urnas. Será que o eleitor é louco, não! Creio que não é!

Daí as surpresas das eleições, vejam só, Cabo Daciolo está na frente de Marina, do Meirelles e do Álvaro Dias. O PT, não fosse o Nordeste, estaria praticamente desaparecido. O Alckmin parece ter entrado em uma fria. A Marina tinha 20 milhões de votos na última eleição, mal fez 1 milhão de votos.

Leia também:PSOL anuncia apoio a Fernando Haddad no segundo turno das eleições

O Bolsonaro já está fazendo a sua bancada na Câmara Federal e no Senado. Aliás, o filho dele foi o deputado federal mais votado em toda história brasileira.

E aí tem o segundo turno entre Bolsonaro e Haddad. Bolsonaro está pertinho de 50%, falta pouco. Ele pode receber uma parte do Alckmin, a maior parte, talvez. Pode receber tudo de Amoêdo, Meirelles, Álvaro e só precisa de 5%. O Boulos vai totalmente para o Haddad, mas tudo indica que o segundo turno vai ter um resultado semelhante ao do primeiro da eleição."

Ler 38 vezes

Galeria de Imagens

Usuários Online

Temos 39034 visitantes e 4 membros online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ESPORTES

Geromel vê Brasileirão ficar mais difíci…

FAMOSOS

Globo comunista ou golpista? Emissora su…

MODA

Bolsa de palha é o acessório que vai dom…

SEXO

Quando preciso começar a pensar em inova…

BICHOS

Vídeo - Píton enorme cai do teto de banc…

VARIEDADES

Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros q…

EDUCAÇÃO

Leveza e encantamento marcam Encontro Re…

DIVERSOS

Definidos os finalistas do campeonato de…

ESPECIAL

Governo confirma início do horário de ve…

GERAL

Divulgada pesquisa Ibope do segundo turn…

ESTADO

Novos pardais das rodovias federais do R…

POLÍCIA

Bebê de nove meses é encontrado morto no…