Segunda, 15 Outubro 2018 22:22

Globo comunista ou golpista? Emissora supera folclore com agenda progressista

Avalie este item
(0 votos)

Foto: Divulgação
Classificada por detratores virulentos como Globo comunista, e por outros tantos como golpista, a emissora carioca se distingue pela responsabilidade com que se comporta na cobertura da corrida eleitoral. Foi assim desde o episódio polêmico envolvendo um debate entre os presidenciáveis Fernando Collor de Mello e Luiz Inácio Lula da Silva em 1989.
A pecha de Globo comunista está em voga justamente porque o País atravessa uma onda conservadora, mas a emissora já foi rotulada como elitista e principal face do “Eles” no discurso encampado por alas da esquerda no País. O fato de ser bucha no canhão de direita e esquerda demonstra mais do que o tamanho da emissora fundada por Roberto Marinho em 1965, seu compromisso com os valores democráticos.
Ainda que se esforce em prol da isenção partidária, e seu departamento de jornalismo está sempre vigilante nesse sentido, a Globo não se exime de outra responsabilidade social patente a uma empresa dessa envergadura e com a referida capacidade de penetração. A conscientização plena e constante da sociedade é um norte na programação da emissora.
Chama a atenção de quem cobre TV a pluralidade com que essa preocupação tem se manifestado. Do “Mais Você” ao “Brasil que eu Quero”, quadro veiculado entre março e setembro em todos os jornalísticos da casa, passando por “Como Será”, “Encontro com Fátima Bernardes”, “Lazinho com Você”, “Mister Brau” e “Amor & Sexo”.
Não é de hoje que a crônica que cobre TV no Brasil destaca a liberdade que a Globo tem dispensado a seus criadores, algo que era notavelmente mais restrito antes dos anos 2000. Um produto como “Tá No Ar”, por exemplo, seria impensável nos anos 90, era em que o “Casseta & Planeta” reinava na emissora, mas era proibido de fazer chacota de emissoras rivais.
Essa liberdade, aliada ao desejo de fidelizar a segunda tela, pode estar por trás da contratação do “Choque de Cultura” para as tardes de domingo. O grupo faz um humor crítico e, tal qual o “Tá no Ar”, já deu pistas de que não se furtará a pincelar um ou outro fato da crônica política nacional – como o recente incêndio no Museu Nacional.
Entender a sexualidade como uma pauta da esquerda é entender que o programa “Amor & Sexo” se ajusta a demandas de representatividade que a TV aberta tradicionalmente se omitia. Em sua 10ª temporada, o programa defende uma agenda inclusiva e prega representatividade e conscientização. A nova temporada estreou com índices baixíssimos de audiência, que podem ser creditados tanto a longevidade como à guinada conservadora que vive o País. Mais representativo, no entanto, é o fato do programa permanecer na grade da emissora com um viés tão progressista.
Globo comunista ? Desonestidade e distorção que dizem mais sobre o momento de incompreensão e inflamação que vive o Brasil do que sobre o canal propriamente dito. Ao adotar pautas progressistas e incumbir-se de metas pedagógicas assumindo sua capacidade de formulação do debate e conscientização social, a Globo contribui para um Brasil mais igual, justo e igualitário.
Gente - iG

Ler 272 vezes

Usuários Online

Temos 193053 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ESPECIAL

Veículo de Três Passos se envolve em aci…

POLÍCIA

Chega a 19 o número de bandidos mortos e…

GERAL

Gisele Bündchen chora ao reencontrar tim…

TRÂNSITO

Saída de pista deixa homem ferido na VRS…

ESPECIAL

Mulher campeã de longevidade completa 11…

ESPECIAL

Semana começa com calor e alerta para te…

TRÂNSITO

Colisão entre moto e caminhonete deixa u…

POLÍCIA

Confronto com a polícia termina com 4 as…

TEMPO

Segunda metade de dezembro terá muita ch…

CIDADE

HCTP apura denúncia de mau atendimento d…

REGIÃO

Homem sobe em torre de energia elétrica …

TEMPO

Por que apesar da previsão ainda não cho…