Segunda, 03 Dezembro 2018 16:16

Procuradoria Federal vai criar canal para receber denúncias de assédio contra professores de universidades

Avalie este item
(0 votos)

Medida foi tomada após os ministros do STF criticarem tentativas de impedir propagação de ideologias e ideias nas universidades durante as eleições presidenciais. A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal, anunciou a criação de um canal para receber denúncias de assédio contra professores, pesquisadores e estudantes de ensino superior durante atividades acadêmicas. "O objetivo da iniciativa é proteger e dar garantias à liberdade docente, à liberdade de aprender, ensinar, pesquisar, expressar e divulgar o pensamento – seja em artigos, pareceres, relatórios, laudos, aulas e demais atividades acadêmicas", afirmou o órgão em nota divulgada nesta terça-feira (4).
De acordo com o comunicado, essas denúncias passarão a ser sistematizadas e que as providências cabíveis contra os denunciados incluem "notificar o agressor, remeter o caso à unidade competente no âmbito do MPF ou mesmo à autoridade que tenha atribuição em relação à queixa". Sistematização das denúncias As denúncias deverão ser feitas a quatro entidades nacionais de ensino superior, que serão encarregadas de sistematizar as informações: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS) Associação Brasileira de Antropologia (ABA) Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP) Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS) Ainda de acordo com a nota, as entidades assinaram um tempo de cooperação com a PFDC na segunda-feira (3), comprometendo-se a encaminhar as denúncias ao órgão federal. Deborah Duprat, procuradora federal dos Direitos do Cidadão, afirmou, segundo a nota, que "a ideia central é assegurar o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, conforme estabelece a Constituição Federal". Faixa com a palavra 'censurado' é colocada na fachada da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense, em Niterói, no RJ, nesta sexta-feira, 26 Fábio Motta/Estadão Conteúdo Açõs policiais durante as eleições O anúncio da PFDC veio mais de um mês após universidades públicas de ao menos nove estados brasileiros terem sido alvos de operações autorizadas por juízes eleitorais em outubro, durante as eleições presidenciais. Segundo levantamento do G1, as ações aconteceram em instituições no Rio de Janeiro, Amazonas, Bahia, Paraíba, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Ceará e Mato Grosso do Sul entre os dia 23 e 25 de outubro. Na época, o TSE afirmou que a corregedoria apuraria 'eventuais excessos'. Uma liminar da ministra Cármen Lúcia suspendeu as ações e, em 31 de outubro, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) referendou a liminar. Os ministros consideraram que as medidas feriram a liberdade de expressão de alunos e professores e rechaçaram quaisquer tentativas de impedir a propagação de ideologias ou pensamento dentro dos estabelecimentos de ensino. STF mantém suspensas ações policiais em universidades
Ler 118 vezes

Usuários do Dia

Temos 17043 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REGIÃO

Expo Agro Cotricampo inicia nesta quinta…

ESPECIAL

Detentos jurados de morte são transferid…

POLÍCIA

Homem é preso por contrabando de cigarro…

POLÍCIA

Jovem é apreendido por tráfico de drogas…

JUSTIÇA

Relação de eleitores faltosos aos três ú…

SEXO

Orgasmo pode ser atingido mais facilment…

ESPECIAL

Homem que se afogou em açude segue inter…

ESPECIAL

Homem procurado da Justiça é preso na ci…

POLÍCIA

Jovem desaparecido é localizado às marge…

INUSITADO

Veículo invade estabelecimento comercial…

MUNDO

Casal de velhinhos comete suicídio para …

REGIÃO

Sine oferece mais de 70 vagas de emprego…