Terça, 04 Dezembro 2018 11:18

Mãe cuida de bebênatimorto por 15 dias: “Não queria deixa-la ir”

Avalie este item
(1 Votar)

Emma Woodhouse, 27 anos, passou por uma gravidez de risco e, na 29ª semana, deu à luz gêmeas prematuras. A situação já era difícil e, para agravar, uma das filhas de Emma era um bebê natimorto. Superar esse momento não foi nem um pouco fácil e a inglesa relatou sua experiência ao jornal “The Sun”.

Emma Woodhouse dá à luz bebê natimorto e cuida de filha por duas semanas como se ela estivesse viva
Arquivo pessoal
Emma Woodhouse dá à luz bebê natimorto e cuida de filha por duas semanas como se ela estivesse viva

A mãe conta que a sua principal dificuldade foi aceitar que teve um bebê natimorto e se separar dele.

“Assim que conheci minha filha, Jess, senti uma onda instantânea de amor. Eu não queria deixá-la ir. Segurei-a perto e senti sua pele ao lado da minha. Foi um momento realmente pacífico. Exceto por uma coisa – ela estava morta”, relata.

Emma confessa que passou 15 dias vivendo como se ela estivesse viva e tendo uma rotina normal com o bebê. Ou seja, a inglesa passou duas semanas cuidando de Jess, assim como cuidava de Bella, a outra gêmea.

Leia também: Mãe faz relato emocionante sobre gravidez de risco e diz que filho é um milagre

Rotina com o bebê natimorto

Bebê natimorto é cuidado durante duas semanas como se estivesse vivo, com rotina de cuidados e passeio no carrinho
Arquivo pessoal
Bebê natimorto é cuidado durante duas semanas como se estivesse vivo, com rotina de cuidados e passeio no carrinho

“Eu a vestia e lavava, beijava o seu minúsculo corpo, cheirava a sua cabeça macia e levava para passear no carrinho ao redor do hospital e do lado de fora do prédio”, fala. “Nós contávamos para ela cantigas infantis e sussurrávamos o quanto a amamos em seu ouvido. Lemos livros infantis para ela e eu dizia ‘eu te amo tanto’”, continua.

Emma ainda relata que a presença de Jess foi fundamental para a melhora de Bella no hospital. “Colocando-a cuidadosamente ao lado de Bella em sua incubadora, me senti completa. Eu sonhei com aquele momento por sete meses. Mesmo que Jess estivesse morta, ela ainda era meu bebê e ainda era a irmã de Bella. Elas não eram idênticas, mas isso não importava – elas tinham um laço inquebrável que não poderia ser cortado com a morte”.

Leia também: Parto é antecipado para que pai em fase terminal de câncer conheça a filha

Após duas semanas, a mãe percebeu que era hora de se despedir do bebê natimorto, apesar de seu desejo ser ficar para sempre com a filha. “Eu não queria deixá-la ir...Eu poderia ter ficado com ela para sempre”, finaliza.

Ler 473 vezes Última modificação em Quarta, 05 Dezembro 2018 14:33

Usuários do Dia

Temos 17893 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

CIDADE

Hospitais de Caridade de Três Passos ter…

REGIÃO

Expo Agro Cotricampo inicia nesta quinta…

ESPECIAL

Detentos jurados de morte são transferid…

POLÍCIA

Homem é preso por contrabando de cigarro…

POLÍCIA

Jovem é apreendido por tráfico de drogas…

JUSTIÇA

Relação de eleitores faltosos aos três ú…

SEXO

Orgasmo pode ser atingido mais facilment…

ESPECIAL

Homem que se afogou em açude segue inter…

ESPECIAL

Homem procurado da Justiça é preso na ci…

POLÍCIA

Jovem desaparecido é localizado às marge…

INUSITADO

Veículo invade estabelecimento comercial…

MUNDO

Casal de velhinhos comete suicídio para …