Segunda, 07 Janeiro 2019 03:00

Bolsonaro faz segunda reunião ministerial nesta terça-feira

Avalie este item
(0 votos)

Presidente reunirá no Planalto o Conselho de Governo, formado por ele, Mourão e todos os ministros. Na reunião anterior, foi anunciado 'pente-fino' em conselhos e revisão de contratos. Governo faz reunião ministerial nesta terça (8) com o objetivo de rastrear gastos O presidente Jair Bolsonaro comandará nesta terça-feira (8) no Palácio do Planalto a segunda reunião ministerial do novo governo. A expectativa é que, na reunião, os ministros avancem nas discussões sobre: propostas que serão implementadas nas próximas semanas; revisão de contratos, exonerações e liberações de recursos; revisão de normas burocráticas para dar mais eficiência ao governo. Segundo a colunista Andréia Sadi, no encontro também, o presidente deve cobrar de cada ministro as metas dos próximos 100 dias.
Bolsonaro assumiu a Presidência há uma semana e pretende reunir sempre às terças-feiras o Conselho de Governo, composto por ele, pelo vice-presidente Hamilton Mourão, pelos ministros de Estado e pelo chefe de gabinete da Presidência. Bolsonaro faz 1ª reunião ministerial: pente-fino em conselhos e imóveis Reunião anterior A primeira reunião ministerial do governo foi realizada no último dia 3 com a presença dos 21 ministros empossados e de Roberto Campos Neto, indicado para o Banco Central. Após o encontro, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou uma série de medidas: Revisão em cada ministério das liberações de recursos e das exonerações realizadas nos últimos 30 dias de 2018; Preenchimento dos cargos de segundo e terceiro escalões por meio de "critérios técnicos"; Reunir nas capitais as estruturas dos ministérios nos estados, a fim de se permitir a venda de imóveis federais (cerca de 700 mil); Revisão de todos os contratos de locação da União; Revisão e "pente-fino" em todos os conselhos que atuam junto à administração direta (órgãos do Executivo). Movimentação 'incomum' Em entrevista ao final da reunião, Onyx Lorenzoni afirmou que houve uma "movimentação incomum" de exonerações, indicações e liberação de recursos nos últimos 30 dias da gestão Temer. Antecessor de Onyx, o ex-ministro da Casa Civil Eliseu Padilha respondeu, afirmando em nota que não houve "nenhuma anomalia". O presidente Jair Bolsonaro (centro) conduz a primeira reunião ministerial do novo governo Marcos Corrêa / Presidência da República Exonerações Segundo Onyx, na primeira reunião ministerial, Bolsonaro autorizou os ministros a repetirem o ato da Casa Civil que exonerou funcionários em cargos comissionados ou com funções gratificadas a fim de promover o que ele chamou de "despetização" do governo. A Casa Civil exonerou cerca de 320 funcionários na semana passada. Os exonerados interessados em retornar passarão por uma "avaliação" para aferir perfil e como cada um foi indicado para o cargo. Embora Onyx tenha falado em "despetização" do governo, numa referência ao PT, os funcionários do governo Dilma Rousseff foram orientados pelo partido a deixar os cargos ainda em maio de 2016, quando Michel Temer (MDB) assumiu o governo, em razão do impeachment. Além disso, o próprio governo Temer buscou exonerar pessoas vinculadas ao governo Dilma.
Ler 59 vezes

Galeria de Imagens

Usuários do Dia

Temos 67052 visitantes e Nenhum membro online

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

GERAL

Surto de vírus deixa várias pessoas doen…

POLÍCIA

Mais um foragido é preso no centro da ci…

TEMPO

Outono no RS deve ser marcado por La Niñ…

REGIÃO

Homem morre de choque elétrico ao usar l…

ESTADO

Ameaças de ataque contra escola colocam …

CIDADE

Ex-aluno do Ipiranga é aprovado em seis …

REGIÃO

Construção do Hospital Regional já tem e…

ESPECIAL

Interposto recurso para aumentar a pena …

ESPECIAL

Sine de Três Passos começa a semana com …

GERAL

CPF passará a valer como documento único

ESPECIAL

Preso mais um acusado de latrocínio na c…

TRÂNSITO

Motorista morre eletrocutado após aciden…