Segunda, 07 Janeiro 2019 03:00

Bolsonaro faz segunda reunião ministerial nesta terça-feira

Avalie este item
(0 votos)

Presidente reunirá no Planalto o Conselho de Governo, formado por ele, Mourão e todos os ministros. Na reunião anterior, foi anunciado 'pente-fino' em conselhos e revisão de contratos. Governo faz reunião ministerial nesta terça (8) com o objetivo de rastrear gastos O presidente Jair Bolsonaro comandará nesta terça-feira (8) no Palácio do Planalto a segunda reunião ministerial do novo governo. A expectativa é que, na reunião, os ministros avancem nas discussões sobre: propostas que serão implementadas nas próximas semanas; revisão de contratos, exonerações e liberações de recursos; revisão de normas burocráticas para dar mais eficiência ao governo. Segundo a colunista Andréia Sadi, no encontro também, o presidente deve cobrar de cada ministro as metas dos próximos 100 dias.
Bolsonaro assumiu a Presidência há uma semana e pretende reunir sempre às terças-feiras o Conselho de Governo, composto por ele, pelo vice-presidente Hamilton Mourão, pelos ministros de Estado e pelo chefe de gabinete da Presidência. Bolsonaro faz 1ª reunião ministerial: pente-fino em conselhos e imóveis Reunião anterior A primeira reunião ministerial do governo foi realizada no último dia 3 com a presença dos 21 ministros empossados e de Roberto Campos Neto, indicado para o Banco Central. Após o encontro, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou uma série de medidas: Revisão em cada ministério das liberações de recursos e das exonerações realizadas nos últimos 30 dias de 2018; Preenchimento dos cargos de segundo e terceiro escalões por meio de "critérios técnicos"; Reunir nas capitais as estruturas dos ministérios nos estados, a fim de se permitir a venda de imóveis federais (cerca de 700 mil); Revisão de todos os contratos de locação da União; Revisão e "pente-fino" em todos os conselhos que atuam junto à administração direta (órgãos do Executivo). Movimentação 'incomum' Em entrevista ao final da reunião, Onyx Lorenzoni afirmou que houve uma "movimentação incomum" de exonerações, indicações e liberação de recursos nos últimos 30 dias da gestão Temer. Antecessor de Onyx, o ex-ministro da Casa Civil Eliseu Padilha respondeu, afirmando em nota que não houve "nenhuma anomalia". O presidente Jair Bolsonaro (centro) conduz a primeira reunião ministerial do novo governo Marcos Corrêa / Presidência da República Exonerações Segundo Onyx, na primeira reunião ministerial, Bolsonaro autorizou os ministros a repetirem o ato da Casa Civil que exonerou funcionários em cargos comissionados ou com funções gratificadas a fim de promover o que ele chamou de "despetização" do governo. A Casa Civil exonerou cerca de 320 funcionários na semana passada. Os exonerados interessados em retornar passarão por uma "avaliação" para aferir perfil e como cada um foi indicado para o cargo. Embora Onyx tenha falado em "despetização" do governo, numa referência ao PT, os funcionários do governo Dilma Rousseff foram orientados pelo partido a deixar os cargos ainda em maio de 2016, quando Michel Temer (MDB) assumiu o governo, em razão do impeachment. Além disso, o próprio governo Temer buscou exonerar pessoas vinculadas ao governo Dilma.
Ler 35 vezes

Galeria de Imagens

Usuários Online

Temos 31650 visitantes e Nenhum membro online

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ESPECIAL

Jovem tem dedo da mão mutilado pelo tráf…

ESPECIAL

Dois jovens são presos e um menor apreen…

REGIÃO

Polícia encontra cadáver que poderá ser …

TRÂNSITO

Acidente com ônibus deixa ao menos 14 fe…

INUSITADO

Vídeo de cadela buscando pão ‘sozinha’ n…

POLÍCIA

Delegado aponta possível vingança como c…

CIDADE

Esgotada a venda do Passaporte Bistrô pa…

SEGURANÇA

Polícia pede denúncias para localizar úl…

ESPORTES

Neymar rebate críticas de Pelé: "Eu…

ESPECIAL

Imagens mostram Eclipse de Lua de Sangue…

POLÍCIA

Moradores vão à festa e têm casas arromb…

GERAL

Homem morre ao tentar atravessar ponte s…