Segunda, 07 Janeiro 2019 07:02

Procurador-geral do Peru anuncia renúncia em meio a investigação da Odebrecht

Avalie este item
(0 votos)

Pedro Chávarry é acusado de tentar interferir na investigação do caso de corrupção da Odebrecht no país. Manifestantes protestam no dia 1º de janeiro contra o procurador-geral Pedro Chávarry na praça San Martín em Lima, no Peru Martín Mejía/ AP Photo O procurador-geral do Peru, Pedro Chávarry, disse que irá renunciar nesta terça-feira (8), em meio à crescente indignação pública com a maneira como tem lidado com a investigação de corrupção envolvendo a construtora brasileira Odebrecht. A decisão de Chávarry acontece pouco mais de uma semana depois que ele demitiu dois importantes promotores do inquérito, uma medida que desencadeou ampla condenação e uma ameaça do presidente peruano, Martín Vizcarra, de suspendê-lo.
Chávarry negou as acusações de que estaria tentando interferir na investigação e, mais tarde, reconvocou os dois promotores, ambos admirados no Peru como combatentes da corrupção. Entretanto, a reversão não foi suficiente para acalmar muitos peruanos, que têm continuado a protestar contra Chávarry. Na noite de segunda-feira, Chávarry disse em comunicado que irá apresentar sua renúncia do Ministério Público peruano nesta terça às 10h locais (13h, no horário de Brasília) por “respeito a minha instituição”. Initial plugin text A decisão de Chávarry marca uma importante vitória para o presidente Vizcarra que, na semana passada, enviou ao Congresso uma legislação para suspender o procurador-geral do cargo. Vizcarra, que substituiu o ex-presidente Pedro Pablo Kuczynski após sua renúncia devido a um escândalo de corrupção no ano passado, tem feito do combate à corrupção o foco de seu governo. Acordo de leniência Os dois promotores inicialmente demitidos por Chávarry, Rafael Vela e José Domingo Pérez, são vistos como figuras essenciais na investigação da Odebrecht no Peru. Procuradores Rafael Vela (esquerda) e José Domingo Perez conversam durante uma entrevista coletiva em Lima no dia 1º de janeiro de 2019 Ernesto Benavides / AFP Os dois haviam recentemente elaborado um acordo de leniência que obrigava a construtora a fornecer evidências sobre US$ 30 milhões em propinas que a empresa admite ter pago a políticos locais. A investigação contra a Odebrecht foi deflagrada pela operação Lava Jato no Brasil e repercute na América Latina, no que procuradores dos Estados Unidos disseram ser o maior esquema de corrupção política já revelado. Em 2016 a Odebrecht admitiu ter pago milhões de dólares em propinas a autoridades de diversos países para obter contratos de obras públicas ao longo de uma década, e se comprometeu a pagar multas de bilhões de dólares.
Ler 37 vezes

.......

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ESPECIAL

Tensão aumenta e há risco de confronto n…

ESPECIAL

Prefeitura abre concurso público e proce…

ESPECIAL

Homem é socorrido após acidente de traba…

POLÍCIA

Preso escondia nove celulares, isqueiro…

INUSITADO

Agricultor colhe melancia com 30 kg no N…

GERAL

Gerente de banco se senta no chão para a…

TRÂNSITO

Funcionária de universidade morre em aci…

TRÂNSITO

Motorista de ônibus fica preso às ferrag…

POLÍCIA

Polícia Civil encontra corpo de caminhon…

GERAL

Vídeo - Casal agride catador no centro d…

SEGURANÇA

PRF amplia fiscalização com o uso de dro…

INUSITADO

Indivíduos passeiam de ambulância e asse…