Segunda, 14 Janeiro 2019 03:45

Senado deve pagar R$ 101 mil de 'auxílio-mudança' a senadores do DF que já moram em Brasília Destaque

Avalie este item
(0 votos)

Benefício é previsto em decreto, e senador não precisa comprovar gasto. Leila e Reguffe já rejeitaram verba; Izalci diz que também abrirá mão. Fachada do Congresso Nacional, a sede das duas Casas do Poder Legislativo brasileiro, durante o amanhecer Pedro França/Agência Senado O Senado Federal deve pagar, nas próximas semanas, R$ 101,3 mil a três parlamentares eleitos pelo Distrito Federal, a título de "auxílio-mudança" – mesmo considerando que eles já moram na capital federal. O benefício é garantido por um decreto de 2014, que não distingue o local de origem do político. Cada senador receberá uma ajuda de R$ 33.763 – o correspondente a um mês de salário – só para “compensar as despesas com mudança e transporte”.
Os dados foram obtidos pelo G1 pela Lei de Acesso à Informação. O auxílio-mudança é pago tanto aos recém-eleitos, quanto aos que estão deixando o cargo. Em 2019, isso corresponde a 46 senadores chegando, e outros 46 saindo – oito parlamentares foram reeleitos. Até a publicação desta reportagem, o Senado ainda não tinha feito os pagamentos. De acordo com a Casa, a data para isso ainda precisa ser definida. Para todo o grupo de políticos do país, o Senado prevê um desembolso de R$ 3,6 milhões com o auxílio este ano. Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária Jonas Pereira/Agência Senado Senado gastará R$ 3,6 milhões para pagar mudança dos eleitos e dos que não se reelegeram “Até o momento, seis senadores renunciaram à ajuda de custo de final de mandato e, portanto, 48 senadores receberão o benefício. Dos senadores que tomarão posse em fevereiro, 14 renunciaram e 40 senadores eleitos em outubro receberão o auxílio de início de mandato”, informou o Senado ao G1. Vão receber o benefício Cristovam Buarque (PPS) – de saída Hélio José (Pros) – de saída Izalci (PSDB) – recém-eleito Renunciaram Leila do Vôlei (PSB) – recém-eleita Reguffe (sem partido) – o mandato do senador começou em 2015, quando ele abriu mão, e vai até 2023 O que dizem os senadores? Leila do Vôlei (PSB) e Izalci (PSDB), eleitos senadores pelo Distrito Federal Agência Brasília e Agência Câmara/Divulgação O G1 questionou todos os senadores sobre o assunto. À reportagem, Izalci informou que "vai abrir mão disso". No entanto, não disse quando iria encaminhar um ofício ao Senado para informar que desistiu do auxílio. A assessoria de Cristovam Buarque disse que a verba servirá para fazer a mudança de livros, discursos e outros documentos mantidos pelo político nas dependências do Senado. “O valor da ajuda de custo será útil para reinstalar milhares de publicações que resumem os 15 anos de mandato.” A equipe de Reguffe afirmou que o senador empreendeu uma “série de cortes em seu gabinete e abriu mão de benefícios, todos em caráter irrevogável, que geraram uma economia direta aos cofres públicos de R$ 16,7 milhões ao longo do mandato de oito anos”. De acordo com a assessoria, o auxílio-mudança é um dos benefícios cortados pelo senador, autor de uma proposta para extinguir de vez o auxílio. O G1 aguarda retorno de Hélio José e Leila do Vôlei. Para outros fins Plenário do Senado Federal Reprodução/TVGlobo De acordo com a assessoria do Senado, os recursos serão desembolsados para auxiliar na mudança dos parlamentares: de Brasília para os estados – nos casos dos senadores em final de mandato –, e dos estados para o DF – nos casos dos eleitos. Apesar disso, os parlamentares podem, se quiserem, utilizar o dinheiro para outra finalidade. Os que se reelegeram recebem duas vezes – em razão do término de um mandato e do início de outro. Como já têm residência em Brasília e não necessitam de mudança, também podem usar a verba para outros fins. De acordo com o Senado, oito parlamentares têm direito ao auxílio em dobro. A concessão do benefício está prevista em um decreto legislativo de 2014. Até 2013, segundo a assessoria do Senado, os parlamentares recebiam no início e no final de cada ano. A resolução não fala em restrição do auxílio para quem tem imóvel próprio na capital federal. Câmara estuda rever regra Deputados também têm direito à verba extra de R$ 33,7 mil. A Câmara, no entanto, estuda mudar as regras para a concessão do benefício. Segundo a assessoria de imprensa da Casa, o objetivo é tornar os critérios “mais claros e restritivos”. A Câmara não informa que tipo de mudança está em estudo nem para quando é pensada. Ressaltou apenas que "eventuais alterações" nos critérios estão em avaliação na esfera administrativa. Veja mais notícias sobre a região no G1 DF.
Ler 102 vezes

Galeria de Imagens

Dra Carin Bogado Petry

Usuários do Dia

Temos 24836 visitantes e Nenhum membro online

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ESPECIAL

Semana começa com sete vagas de emprego …

ESPECIAL

Acidente envolve carro e caminhonete na …

ESTADO

Caminhoneiros do RS compram laudos toxic…

REGIÃO

Crianças voltam a ser lembradas por grup…

ESPECIAL

Polícia divulga nomes dos assassinos de …

CIDADE

Vídeo – Veículo colide em motocicleta no…

TEMPO

Instabilidade segue presente em regiões …

TRÂNSITO

Veículo sai da pista durante ultrapassag…

POLÍCIA

Ladrões levam colheitadeira de proprieda…

CIDADE

Motorista tenta impedir imagens de acide…

ESPORTES

No Dia da Terra, Liga americana de hóque…

MODA

10 ideias para transformar os seus looks…