Quarta, 13 Março 2019 13:50

'Violência sem sentido' torna trauma mais difícil de ser superado

Escrito por Deborah Giannini, do R7
Avalie este item
(0 votos)
Quem sobreviveu ao massacre terá que enfrentar agora a superação do trauma

Quem sobreviveu ao massacre terá que enfrentar agora a superação do trauma

Edu Garcia/R7

O massacre em Suzano é considerado um trauma mais difícil de ser superado em relação a uma catástrofe natural, por exemplo, por se tratar de uma "violência sem sentido", segundo o psiquiatra Marcelo Feijó, fundador do Prove (Serviço de Assistência e Pesquisa em Violência e Estresse Pós-traumático) da Unifesp.

Alunos e funcionários da Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, presenciaram o ataque de dois ex-alunos que invadiram o local nesta quarta-feira (13), provocando a morte de 10 pessoas e ferindo ao menos 9 com disparos, flechas e machadinhas.

"A outra pessoa agiu sem um motivo aparente, levantando a dúvida: por que meu filho ou meu amigo foram mortos? Eles não fizeram nada. Então, essa falta de sentido torna o trauma maior. Como não tem uma lógica, é algo bárbaro, é mais difícil de a pessoa elaborar", afirma.

Leia também: MP irá investigar ação de jovens de Suzano em fóruns extremistas

O psicólogo Yuri Busin explica que, mesmo com a dificuldade, esse tipo de trauma pode ser superado. “Isso não quer dizer que o ocorrido será esquecido, mas sim, que a pessoa não irá mas sofrer com isso”, diz. 

De acordo com a psiquiatra Carolina Hanna, do Hospital Sírio-Libanês, a recuperação emocional vai depender da resiliência de cada um e do tamanho do trauma. "Varia de acordo com a vivência individual, do suporte que dispõe à sua volta". 

Dependendo do tipo de evento violento há maior ou menor risco de desenvolver transtornos. Segundo Feijó, o estupro é o que mais resulta em transtorno do estresse pós-traumático (TEPT). "Cerca de 60% das vítimas desenvolvem o quadro", afirma.

Saiba mais: 'Não quero voltar para onde vi meus amigos mortos', diz aluno de Suzano

Já em relação a catástrofes naturais essa porcentagem é bem mais baixa, segundo o psiquiatra. "Há uma questão que é a comunidade como vítima, então, ela está unida naquela situação. Há uma certa solidariedade".

Os jovens que vivenciaram o massacre na escola de Suzano têm mais chance de desenvolver transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e transtorno do estresse agudo (TEA) do que os adultos que passaram pela mesma situação, segundo Feijó.

Jovens são mais vulneráveis a estresse pós-traumático

"Um evento violento dessa magnitude afeta principalmente adolescentes, pois estão em formação e não têm tantos recursos psicológicos como os adultos para lidar com traumas", afirma.

Cerca de 20% das pessoas que passam por ato de violência, como esse massacre, desenvolvem transtornos, mas, como a maioria das vítimas eram adolescentes, essa porcentagem pode ser ainda maior, segundo o psiquiatra. 

Leia também: Após notícia da tragédia, escolas devem acolher e ouvir seus alunos

"Todas as pessoas que foram submetidas à situação terão uma reação emocional, como dificuldade para dormir, medo e ansiedade por cerca de 30 a 60 dias, o que é normal. A tendência é que, aos poucos, vão elaborando e superem a situação. Fica uma lembrança ruim, mas que não interfere na vida da pessoa. Mas um número menor vai desenvolver algum desses transtornos", explica.

A diferença entre as patologias é que o transtorno do estresse pós-traumático (TEPT) é diangósticado depois de cerca de um mês do ocorrido e o transtorno do estresse agudo (TEA) apresenta quadro intenso, sendo identificado logo após o fato.

"No transtorno do estresse agudo, as reações são muito fortes logo no início. Entre elas, a pessoa perde a noção de onde está, de quem ela é. Tem confusão mental e muitos medos", diz o médico.

Já o transtorno do estresse pós-traumático (TEPT) é um quadro desencadeado após um trauma no qual a pessoa foi vítima ou testemunha de um ato violento que envolveu risco de morte. Os sintomas englobam a revivência do trauma, como se o fato estivesse acontecendo novamente, a evitação de tarefas que lembrem a situação, o que leva à limitação de uma série de atividades, negativismo sobre si mesmo, às pessoas e à vida e hipervigilância constante. "Um vento bate uma porta e gera um susto que provoca uma descarga desproporcional de adrenalina", exemplifica o psquiatra. 

Medo de voltar à escola é esperado

Ter medo de voltar à escola depois de uma tragédia como a de Suzano é natural e pode ser enfrentado com a ajuda da própria escola, que deve criar um clima de positivismo e união no retorno para motivar os alunos, de acordo com o psquiatra. "É preciso que a escola se prepare para que os alunos tenham vontade de voltar para lá e que não se torne um local triste e pesado", diz.

Mudar de escola ou até de cidade e de país nem sempre é saúdável. "Se não retorna ao local, muitas vezes carrega o problema para onde for. Tenho pacientes que passaram pelo holocausto, saíram do país, mas, mesmo assim, mantêm uma memória muito viva do que passaram", afirma.

Embora a tendência natural seja estimular a vítima a "desabafar", o médico afirma que, em um primeiro momento, isso é contraindicado. "Pode fazer com que as memórias traumáticas sejam reativadas e fortalecidas", afirma.

Ele orienta que o melhor a fazer é oferecer suporte e acolhimento. "Demonstrar que se sente solidário e que quer ajudar", diz.

Ler 103 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Usuários do Dia

Temos 46796 visitantes e Nenhum membro online

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

GERAL

Motoristas terão que fazer curso e prova…

REGIÃO

Hospital abre inscrições para cargos de …

ESPECIAL

Projetos abrem 36 vagas de emprego pela …

ESPECIAL

Duas prisões por homicídio e estupro de …

GERAL

Por que o Bolsa Família é mais polêmico …

INUSITADO

Homem apanha da esposa após se negar a i…

POLÍCIA

Mulher investe contra a Brigada Militar …

TRÂNSITO

Acidente com vítima fatal na ERS-569, no…

ESPECIAL

Briga generalizada é registrada em jogo …

GERAL

Motoqueiro cai durante apresentação do G…

TRÂNSITO

Saída de pista deixa duas mulheres ferid…

TEMPO

Ciclone chega ao Brasil nesta segunda e …