Sábado, 12 Outubro 2013 01:01

Suspeito nega envolvimento com garota filmada em vídeo de sexo

Avalie este item
(0 votos)

Prestou depoimento, na manhã de sexta-feira, 11, o rapaz de 22 anos suspeito de compartilhar vídeos íntimos de uma jovem em um aplicativo de celular. De acordo com a titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Goiânia, Ana Elisa Gomes, ele negou qualquer tipo de relacionamento amoroso com a garota exposta nas imagens e usou o direito de ficar calado em diversas perguntas.

Segundo a delegada, o suspeito disse ter conhecido a jovem de 19 anos por meio de amigos. No entanto, o rapaz, que é casado, nega o relaciomento extraconjugal relatado pela garota à polícia. Ele alegou que ela estaria criando essa situação para prejudicar a vida dele com a esposa, mas preferiu não entregar e nem passar o número do celular.

"Foi solicitado a ele que entregasse o telefone para ser periciado e ele preferiu se manter em silêncio. Eu insisti, perguntei se ele entregaria posteriormente o aparelho e ele novamente se manteve em silêncio. Perguntamos então o número de celular dele, até para comparar com mensagens de WhatsApp, e ele prefiriu se manter em silêncio", disse Ana Elisa.

O rapaz chegou à delegacia da mulher às 10h, pontualmente no horário em que o depoimento estava marcado. Prestou esclarecimentos por quase duas horas e não quis falar com a imprensa.

"Ele chegou bastante emocionado dizendo que a vida dele está passando por um turbilhão de emoções pelo fato dele estar sendo, segundo ele falsamente, acusado da distribuição do vídeo e nega, inclusive, que seja ele nas imagens", contou a delegada.

Na saída da delegacia, o advogado do jovem, Hugo de Angelis Bastos, fez uma reclamação: "Garantias fundamentais do meu cliente estão sendo violadas. Antes mesmo dele ser chamado a esta especializada, dados importantes do inquérito policial foram divulgados pela mídia, não respeitando assim as garantias condicionais".

A delegado afirma que há uma longa troca de mensagens entre o suspeito e a garota, no celular da jovem. O aparelho dela foi encaminhado para ser periciado pelo Polícia Civil.

Em entrevista ao G1, o pai do jovem, um empresário de 47 anos, disse que o celular do filho havia sido encaminhado "para perícia porque ele estava recebendo mensagens com ameaças de morte". Mas não especificou onde seria essa perícia.

Ao G1, o empresário confirmou que o rapaz teve um caso com a jovem que aparece no vídeo de sexo. Disse que nunca chegou a vê-la e negou a informação de que eles tenham mantido um caso extraconjugal por três anos, como a garota relatou à polícia ao registrar o boletim de ocorrência na última sexta-feira, 4.

O que é um meme?

Na internet, meme é o termo usado para tratar de qualquer conteúdo que é repassado de uma pessoa para outra, em geral se disseminando na rede em várias versões – ou porque é muito bom, muito ruim, muito engraçado, muito diferente.

Meme

Os vídeos onde a jovem aparece fazendo sinal de “OK” durante ato sexual começaram a circular em um aplicativo de celular no fim da semana passada e virou meme nas redes sociais. O símbolo, inicialmente, se tornou piada nas redes, com montagens de políticos e celebridades fazendo o sinal.

Após repercussão do caso, no entanto, internautas manifestaram apoio à garota difamada. Imagens de pessoas, sozinhas ou em grupos, fazendo o mesmo sinal de 'OK', com a palavra "força" ganharam as redes sociais.

A polêmica também levantou o debate sobre a necessidade de tornar mais rígidas as leis de crimes cibernéticos. De acordo com a Ana Elisa, caso seja comprovado que ele divulgou as imagens, o jovem será autuado por difamação, pois não se enquadra na Carolina Dieckmann, que só se refere a casos onde há invasão de computadores e dispositivos eletrônicos.

Vice-presidente da Comissão de Direito Digital da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO), o advogado Rafael Maciel defende a criação de uma delegacia especializada na investigação de crimes cometidos em ambiente digital. “A maior parte das interações humanas são hoje realizadas em ambientes digitais e o ordenamento jurídico deve proteger os cidadãos de crimes e da propagação de conteúdos difamatórios e caluniosos. Esse tipo de conduta trazem transtornos sérios às vítimas”, argumenta.

G1/Foto: Reprodução

Ler 1683 vezes Última modificação em Sábado, 12 Outubro 2013 22:22

Usuários Online

Temos 1504 visitantes e Nenhum membro online

VITRINE PUBLICITÁRIA

Procura-se distribuidor para erva-mate

Atacadão do Hortifruti

Green House

VIVO Multicell - Três Passos

Igreja Dom de Maravilha

Vende-se prédio comercial em Humaitá

Cláudia Decoração de Festas e Brinquedos…

Leitor Repórter

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ESTADO

Polícia usa bomba de efeito moral e bala…

TEMPO

Frio perde a intensidade neste sábado em…

GERAL

Avião de Temer fica sem combustível para…

ESTADO

Prefeito investigado por assédio sexual …

INUSITADO

Sem-teto morre e polícia descobre que el…

DICAS

Sorteio de um mini barril de chopp no Re…

PAÍS

Governo edita decreto e tropas federais …

ESTADO

Maioria das cidades do RS ficará sem gás…

REGIÃO

Agricultores derramam leite no asfalto e…

ESPECIAL

Hospital de Caridade mantém apenas atend…

GERAL

Presidente anuncia uso das forças federa…

ESPECIAL

Caminhoneiros mantêm bloqueio na BR-468…

...