Terça, 06 Março 2018 14:26

Tribunal baiano permite aborto de feto sem chance de sobrevivência

Avalie este item
(0 votos)

iG São Paulo

Juiz permitiu aborto por considerar que gestação é “perigosa à saúde da gestante” e que criança não sobreviveria fora do útero

Médicos constataram que a gestante carregava um feto portador da síndrome que impossibilita sua vida fora do útero

Médicos constataram que a gestante carregava um feto portador da síndrome que impossibilita sua vida fora do útero

Foto: Pixabay

O juiz José Brandão Netto, da Vara Criminal baiana de Esplanada, permitiu a uma gestante a realização de um aborto por entender que, em casos em que o recém-nascido não tem chances de sobreviver fora do útero da mãe, a prática não é ilegal.

A informação é do portal especializado em direito Jota.

Leia também:Votação da PEC que pode proibir aborto mesmo em casos legalizados fica para 2018

Após exames de ultrassonografia, médicos constataram que a gestante carregava um feto portador da síndrome de patau com cariótipo fetal, o que impossibilita sua vida fora do útero. A mulher, então, decidiu requerer à justiça o direito de realizar um aborto.

Respondendo à ação movida pelo Ministério Público da Bahia, o juiz entendeu que, nesse caso, ela está autorizada a levar adiante a interrupção da gravidez.

“Nesse contexto, negar a possibilidade de interrupção da gravidez representaria extrema crueldade com a gestante, com alto risco de vida na manutenção da gestação e com grave comprometimento psicológico, na medida em que, além dos riscos da gravidez, no presente caso haveria violação ao princípio constitucional da dignidade humana”, argumentou o magistrado.

PEC quer proibir aborto em qualquer hipótese

No fim de 2017, a Câmara dos deputados pautou um projeto de emenda constitucional que pretendeu proibir o aborto em qualquer hipótese – mesmo nos casos em que a lei prevê o direito, como em caso de estupro, riscos à saúde da gestante ou quando o feto não é saudável.

Leia também:PSOL e ONG abrem ação no STF pela descriminalização do aborto

Um parecer aprovado em uma das comissões da casa afirmou que o objetivo é defender o direito à vida “desde a concepção”. A proposta, no entanto, foi duramente criticada por médicos e defensores dos direitos da mulher. Ainda, ela vai na contramão de decisões recentes do Supremo Tribunal Federal que reconheceram a legalidade do aborto de fetos anencéfalos.

De toda forma, a PEC terá de esperar pelo menos até 2019 para voltar à agenda da Câmara. Isso porque, com o decreto da intervenção militar federal na segurança pública do Rio de Janeiro assinado por Michel Temer, fica suspensa no Congresso qualquer votação que pretenda alterar a Constituição.

Leia também:STF nega autorização para universitária, mãe de dois filhos, realizar aborto

Ler 98 vezes

Usuários Online

Temos 2121 visitantes e Nenhum membro online

VITRINE PUBLICITÁRIA

Astor Mallmann – Representante Telha Cer…

Green House

VIVO Multicell - Três Passos

Igreja Dom de Maravilha

Campeão de audiência

Vende-se prédio comercial em Humaitá

Anuncie aqui

Leitor Repórter

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

TRÂNSITO

Carreta tomba na ERS-324, vazando 40 mil…

ESPECIAL

Padre Gonzales/Três Passos – Um tour no …

POLÍCIA

Caçador larga arma e foge para o mato ao…

GERAL

Morre ex-técnico do Tupi de Crissiumal e…

ESTADO

Entrevista - Miguel Rosseto, pré-candida…

INUSITADO

Criança de 7 anos dirige carro a 120 km/…

ESPECIAL

Vídeo e fotos da Festa do Colono e Motor…

SEGURANÇA

Das 484 delegacias, 78 têm apenas um ser…

TEMPO

Semana deve começar chuvosa na maior par…

ESPECIAL

Briga em saída de festa deixa um ferido …

TRÂNSITO

Veículo de Três Passos se envolve em aci…

ESPORTES

Beto Campos, técnico campeão gaúcho em 2…

...