Fenômeno
Foto: Reprodução

Se a previsão do tempo se confirmar, boa parte dos gaúchos poderá olhar para o céu, no domingo (22), e observar a “verdadeira” lua azul. Mas, não: o satélite natural da Terra não mudará de cor. No entanto, apesar de a aparência seguir a mesma, essa será uma noite de lua cheia incomum – a “blue moon” só voltará a acontecer em agosto de 2024.

Em inglês, a expressão “once in a blue moon” já dá uma pista sobre o que é o fenômeno – essa é uma frase dita em referência a algo que acontece com pouca frequência. Popularmente, é chamada de lua azul a segunda lua cheia do mês. Segundo a revista americana especializada Sky & Telescope, porém, este não é o sentido “verdadeiro” e não é o que acontecerá no domingo.

O periódico fez um “mea culpa” e explicou que o termo passou a ser usado de forma equivocada devido a um erro de interpretação de um de seus autores, em 1946, sobre algo que o Maine Farmers’ Almanac – outra revista americana, publicada desde 1818, que traz informações sobre o tempo – catalogava como “blue moon”. O autor da Sky & Telescope entendeu que o termo lua azul se referia à segunda lua cheia do mês, quando, na verdade, ele dizia respeito à terceira lua cheia de uma estação que tenha quatro, no total.

Neste domingo, ocorrerá, portanto, a lua azul original: a terceira lua cheia de um inverno que terá quatro, no total. A primeira foi em 24 de junho; a segunda, em 23 de julho; e a última lua cheia será em 20 de setembro, logo antes do início da primavera, previsto para 22 de setembro. O fenômeno é incomum porque, normalmente, há 12 luas cheias por ano e três em cada estação. Neste ano, serão 13.

GZH