Economia
Foto: Agencia RBS

Preços de alimentos ficaram mais salgados em 2020. Na região metropolitana de Porto Alegre, o produto com maior alta foi o óleo de soja, que ficou 99,15% mais caro no ano. Ou seja, quase dobrou de valor. 

O dado faz parte do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país. O índice geral subiu 4,22% na região, conforme o IBGE.

No caso dos alimentos, há um conjunto de fatores que explica a disparada. Na pandemia, houve mudança no padrão de consumo, e parte da população passou a cozinhar mais em casa. O auxílio emergencial também contribuiu para aquecer a demanda, pressionando os preços.

Por fim, o avanço do dólar torna mais atrativas exportações de matérias-primas, incluindo a soja. Assim, a tendência é de que maior parte da produção seja destinada para vendas internacionais, reduzindo a oferta interna. Resultado: os preços passam a subir.

Na outra ponta, a passagem aérea é o item cujos valores tiveram a maior baixa na Grande Porto Alegre. No ano passado, os preços dos bilhetes caíram 33,42%. O cálculo contempla passagens de voos nacionais, com partida na capital gaúcha. 

Nesse caso, também há impacto da mudança de consumo na pandemia. Com o isolamento, a demanda por viagens ficou menor, o que tende a diminuir os valores cobrados dos consumidores.

Os 10 produtos com maior alta nos preços
 

  • Óleo de soja: 99,15%
  • Arroz: 67,78%
  • Batata-inglesa: 66,68%
  • Cebola: 61,21%
  • Maçã: 59,25%
  • Laranja baía: 44,23%
  • Feijão preto: 40,61%
  • Tomate: 38,07%
  • Uva: 36,67%
  • Morango: 36,56%

 IBG/GZH