Dicas
Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

Apesar de o inverno ainda não ter começado oficialmente, as baixas temperaturas já estão predominando no Rio Grande do Sul, fazendo com que os gaúchos invistam não somente em roupas mais quentes, como também em aparelhos que ajudam a manter os ambientes aquecidos. Entre eles, o mais comum é o ar-condicionado, mas é preciso saber utilizá-lo corretamente para afastar o frio de forma confortável e segura.

Bruno de Rosso Ribeiro, professor da Escola Politécnica da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e coordenador do curso de pós-graduação em Engenharia de Refrigeração e Climatização, explica que os aparelhos de ar-condicionado do tipo split, que são os mais comuns em residências atualmente, podem ser vendidos em dois modos: quente e frio e somente frio. Para utilizar a função quente, é importante considerar questões como a temperatura recomendada e os cuidados necessários.

Segundo o professor, quando o fluxo de ar quente é oriundo do equipamento, como acontece com o split, que opera com sistema de recirculação — ou seja, sem haver renovação do ar interno com a entrada de ar externo — ocorre o fenômeno da expansão, que, por sua vez, pode provocar uma sensação de sufocamento. 

— No modo quente, o ar será puxado pelo retorno, passará por uma serpentina e voltará para o ambiente expandido e com uma baixa umidade relativa. Nós, seres humanos, não suportamos umidades relativas muito baixas e, por isso, haverá uma sensação de desconforto — esclarece Ribeiro.

Por esse motivo, é preciso utilizar o ar-condicionado com moderação durante o inverno. O professor salienta que não é aconselhável, por exemplo, deixar o aparelho ligado no modo quente a noite inteira ou por um período muito longo. 

A recomendação para os dias mais frios é fechar as janelas e portas do cômodo, ligar o equipamento na temperatura desejada, sair do local por algum tempo e desligá-lo ao retornar. No entanto, após desligar o aparelho, é necessário manter as aberturas fechadas.

— Se a pessoa desligar o ar e deixar uma porta aberta, o calor será transferido para outros locais, por isso, deve mantê-la fechada. Mas, nesse caso, não haverá sensação de sufocamento, pois o calor irá se equilibrar com a temperatura da pessoa — afirma.

É possível aquecer a casa inteira?

A possibilidade de esquentar diversos cômodos com somente um aparelho de ar-condicionado é bastante complexa, pois cada ambiente terá suas próprias características de aberturas e posicionamento solar. Os equipamentos domésticos geralmente conseguem aquecer somente locais menores, como JKs e quitinetes, enfatiza o professor.

Para que o aquecimento seja mais efetivo, é necessário deixar todos os cômodos abertos entre si e as janelas fechadas. Mas, mesmo assim, a percepção de calor não será igual em todos os ambientes, sendo maior no local onde o aparelho está instalado.

Riscos à saúde

Além da sensação de sufocamento, o uso contínuo do ar-condicionado no modo quente pode causar alguns riscos à saúde, especialmente para aquelas pessoas que já têm algum problema respiratório. De acordo com o médico pneumologista da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Luiz Carlos Corrêa da Silva, o primeiro cuidado é com a temperatura, que deve ficar em torno de 23°C — tanto no inverno quanto no verão.

— A temperatura muito alta em um ambiente pode causar até mesmo hipotensão arterial e tontura — comenta.

O especialista ressalta ainda que o equipamento costuma remover a umidade do ambiente, deixando o ar muito seco, o que pode irritar áreas como garganta e narinas. Por isso, é aconselhável evitar que o vento quente atinja diretamente as pessoas, direcionando-o para cima, além de manter a umidificação do cômodo para que a porcentagem de vapor úmido fique em torno de 50%.

— Quando nós respiramos o ar do ambiente, ele chega aos pulmões saturado de vapor de água, mas, se o ar entrar muito seco, quem vai fornecer toda essa água será a mucosa, por isso ela resseca, fica irritada. Quem já tem alergias acaba sentindo mais — alerta Corrêa da Silva.

Para auxiliar na moderação do uso, o médico indica utilizar o timer, uma função de autodesligamento de que alguns aparelhos dispõem. Também é necessário estar atento à manutenção e à limpeza do ar-condicionado, a fim de evitar a circulação de sujeiras, mofos e fungos que podem ser prejudiciais à saúde.

Transmissão do coronavírus

Rodrigo Pires dos Santos, médico infectologista e coordenador da Comissão de Controle de Infecção do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), ressalta que manter os ambientes arejados é uma das recomendações de prevenção contra a covid-19, independentemente da estação do ano, assim como o uso de máscara, o distanciamento social e a higienização frequente de mãos. Portanto, afirma que deixar portas e janelas fechadas para utilizar o ar-condicionado no modo quente pode aumentar o risco de transmissão do coronavírus entre as pessoas que moram na mesma residência.

— Se estamos supondo que são pessoas da mesma família, que estão convivendo no mesmo ambiente sem uso de máscara e sem distanciamento, então eles já estão sendo expostos, e se adicionarmos um risco maior (que é a falta de circulação de ar), as chances de transmissão dentro daquela família serão maiores caso algum membro esteja infectado — explica.

O médico pontua que, como os aparelhos do tipo split não fazem a renovação do ar, seria preciso deixar um espaço aberto em uma porta ou em uma janela para possibilitar a circulação do ar — o que prejudicaria a climatização do ambiente. Uma alternativa para diminuir o risco é fazer um período de climatização e outro de abertura, por exemplo: uma hora com o ar-condicionado no modo quente ligado e 20 minutos com portas e janelas abertas para renovar o ar do local.

GZH