Comportamento
Foto: Reprodução

Muitos casais que, antes, conviviam pouquíssimas horas por dia, agora, com o isolamento social como medida ao combate à pandemia do coronavírus, tem passado o tempo todo junto em casa. Tem ainda os que não estão sozinhos e compartilham a nova rotina com filhos, sogras, irmãos…

Mas e aí, como fica o relacionamento neste período? Essa foi a discussão no Aqui na Band desta sexta, 03. A psicóloga Tatí Presser não só respondeu as dúvidas dos telespectadores, como garantiu: “É necessário que paciência e respeito prevaleçam neste momento”.

1. Não gosto de alguns hábitos do meu marido e como agora passamos mais tempos juntos, parece que eles se acentuaram mais. Como falar sem incomodar?

“Agora, você não somente vai se irritar com hábitos que você já conhecia, como vai se irritar com os novos, que vai passar a conhecer. Abrir o canal da comunicação, sentar e conversar é essencial. Abaixe o tom pra não perder a razão.”

2. Posso omitir fatos do companheiro neste momento para causar menos brigas?

“Não, isso não é nada saudável. Relacionamento é baseado na confiança. Neste momento, então, a omissão vai aparecer rapidinho.”

3. Como deixar que o estresse do confinamento não interfira no meu relacionamento?

“Bom humor é essencial. Tentar trazer as coisas para a brincadeira, para o lúdico, rir, trolar, brincar com essa situação e trabalhar a endorfina. Se exercitar também vai te ajudar. Tente fazer algo, nem que seja correr pela casa ou dar a volta na mesa, para liberar endorfina e dopamina. E não se exija demais de você mesma. Você não precisa sair visitando todos os museus online, ler todos os livros disponíveis para download ou fazer todos os cursos e lives…”

4. Não tenho vontade de transar com meu marido durante a quarentena, é normal?

“Homens e mulheres vão transar por motivos diferentes. Geralmente, a mulher transa para se conectar e o homem, para extravasar. Neste momento, é possível que a mulher esteja mais tensa e, pode, realmente, não estar no clima. Mas, é um momento de união. Então, vale apostar em preliminares mais carinhosas, afetuosas. O sexo é antidepressivo e libera hormônios que fazem muito bem.”

5. Durante o isolamento, meu marido está mais distante do que antes. Como resolver?

“A quarentena pode se traduzir em ansiedade e cada um reage de um jeito: tem gente que fica mais estressada, tem gente que foge e não quer lidar com a situação. É mais uma vez a mesma resposta: aposte em uma conversa franca, tentando tirar a emoção da discussão. E escolha suas batalhas. Se a divergência é boba, não discuta. Releve.”

Metro Jornal