Polícia
Foto: Internet/Divulgação/ND

Fabíola, de apenas 4 anos, foi raptada da própria casa na sexta-feira (18), no município de Palhoça. De acordo com a Polícia Civil, a menina passa bem e foi encontrada em uma casa no bairro Cachoeira do Bom Jesus, no Norte da Ilha de Santa Catarina. Ela estava com um casal, que foi preso em flagrante.

A polícia entrou em contato com a mãe da criança para fazer o reconhecimento dos autores.

Ela também foi informada pelos agentes que fizeram o resgate que a criança havia sido localizada e encaminhada à Dpcami (Delegacia de Polícia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso) de Palhoça.

Na noite do rapto, a mãe estava sozinha com Fabíola em casa. Ela precisou ser encaminhada ao hospital para atendimento médico em razão de uma pancada que recebeu na cabeça.

Mais detalhes do caso foram divulgados durante uma entrevista coletiva concedida na manhã deste domingo, na sede da Delegacia Geral da Polícia Civil, em Florianópolis.

Confira todos os detalhes repassados pela polícia:

Localização do cativeiro

Informações mais concretas sobre o paradeiro da criança foram recebidas pela Polícia Civil durante a madrugada deste domingo, conforme as forças de segurança responsáveis pelo caso.

Na sequência, agentes da Dpcami de Palhoça e policiais civis de Florianópolis se deslocaram até o local informado.

Em um primeiro momento, chamou a atenção dos policiais a presença de um veículo com as mesmas características do carro que teria sido utilizado no rapto de Fabíola.

As primeiras informações repassadas por vizinhos da criança davam conta de que o casal suspeito havia se aproximado da casa dela em um Gol, de cor branca.

Os agentes, então, entraram na casa de dois pavimentos localizada no Norte da Ilha e encontraram a criança e os autores do crime.

Mentiras e resistência

Conforme o delegado Fábio Pereira, da Dpcami de Palhoça, o homem foi encontrado no piso térreo da casa. Ele tentou resistir à ação policial com violência e teve que ser imobilizado.

“Ele foi indagado se havia mais alguém na casa e, primeiro, disse que estava sozinho. Depois, insistiram e ele disse que estava com a esposa. Em um terceiro momento, ele disse que havia ‘uma menina que eles estavam cuidando’”, informou o delegado.

Os policiais, então, se deslocaram ao piso superior da casa e localizaram a criança em um cômodo, no colo da mulher. “Ela não soltava a criança de maneira alguma. Foi dado comando para que ela largasse a criança e ela não atendia”, disse Pereira.Polícia Civil concedeu entrevista coletiva sobre o caso do sequestro de criança em Palhoça – Foto: Polícia Civil/Divulgação/ND

Apesar da resistência inicial, os agentes conseguiram tomar a criança e conter os autores. O casal foi preso em flagrante e autuado por sequestro qualificado, tendo em vista que a vítima é menor de 18 anos. Eles foram encaminhados à Dpcami de Palhoça, onde prestaram depoimento.

De acordo com a polícia, a menina foi encontrada assustada e “percebia-se que ela não queria permanecer com o casal”. Após o resgate, ela teria demonstrado momentos de alegria junto aos policiais. “Inclusive disse que éramos os super-heróis dela”.

“Brinquedos macabros”

Durante a coletiva, os policias civis que participaram da ação relataram que, na casa onde a menina foi mantida em cativeiro, a situação era de “bagunça generalizada”, sem condições de moradia.

No local havia fezes de animais misturadas com roupas de criança, além de “brinquedos macabros e bonecas pintadas”.

Inquérito ainda será concluído

A Polícia Civil tem 10 dias para concluir o inquérito do caso. Informações sobre a motivação do sequestro e detalhes sobre os autores não foram divulgados. Conforme a polícia, a prioridade inicial era localizar a criança.

Contudo, a polícia antecipou que o casal é natural do estado do Rio Grande do Sul, mas mora há anos em Florianópolis. As idades dos autores não foram divulgadas, mas a polícia repassou que o casal é jovem e já teria se aproximado da residência da vítima em meados de dezembro.

ND Mais