Região
Medidas estão prejudicando economicamente a população. Foto: Ilustração

Sem casos confirmados de coronavírus e sob pressão de vários segmentos da população, principalmente de comerciantes, de autônomos e de trabalhadores, prefeitos que fazem parte da Amuceleiro, entidade que congrega os 21 municípios da Região Celeiro, participam de uma reunião extraordinária para decidir se seguem com as restrições impostas através de decretos de calamidade pública, entre elas, o fechamento do comércio e o isolamento das pessoas. A reunião ocorre a partir das 14h, através de vídeo-conferência.

Além da preocupação com a saúde

Para o diretor de Assuntos Municipais da Famurs, Rodrigo Westphalen, os decretos são fundamentais para os municípios, pois concedem benefícios legais, com destaque para o de calamidade pública: “A decretação do estado de calamidade, por exemplo, permite que os municípios tenham flexibilidade na prestação de contas e limites contábeis e fiscais previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal”.

Cidade reabre o comércio na segunda-feira

O comércio voltará a funcionar, mas em regime de plantão, com portas fechadas, a partir da próxima segunda-feira, 30, em Ijuí, cidade com cerca de 83 mil habitantes localizada no Noroeste do RS. Na tarde de quinta-feira, 26, uma reunião definiu o funcionamento com restrições, entre elas, o atendimento de um cliente de cada vez, sem filas, com todas as medidas de prevenção contra o coronavírus. As escolas seguem fechadas e ônibus retornam nesta sexta-feira, 27, mas também com restrições.

Empresas defendem o isolamento de idosos e a reabertura do comércio

Empresários da cidade de Passos Fundo se uniram em movimento que analisa formas de isolamento que não prejudiquem economicamente os passo-fundenses. Mais de 180 lideranças empresariais se reuniram de forma virtual para elaborar um documento chamado “manifesto favorável ao isolamento vertical”. O documento integra empresários de 102 empresas que envolvem diretamente 4.094 funcionários.

Prefeitura se manifesta pela revogação parcial do decreto de calamidade pública

A administração municipal de Santo Cristo encaminhou correspondência a todos os deputados estaduais e também à Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), com solicitação de empenho para a revogação parcial, pelo governador do Estado, do decreto de calamidade pública decorrente do surto de coronavírus. Com a revogação pretendida, os municípios ficariam liberados do fechamento do comércio e da prestação de serviços, mantendo, porém, rigorosa fiscalização para manutenção do isolamento de idosos, pessoas com doenças crônicas e com baixa imunidade.