Saúde
Foto: Reprodução

As máscaras foram um dos primeiros itens – juntamente com o álcool em gel – que foram vendidos nas farmácias quando a pandemia de coronavírus começou a atormentar nosso país.

Contudo, muito se falou sobre seu uso e, por isso, a dúvida se é recomendado ou não usar a máscara para evitar pegar coronavírus é comum.

No entanto, um estudo publicado no final de semana pela Organização Mundial da Saúde (OMS), analisando os modos de transmissão do vírus causador da Covid-19 indica que seu uso pode não ser necessário.

No texto detalhando os resultados da investigação, a OMS indica que se chegou à conclusão de que o coronavírus é transmitido apenas pelo contato com as gotículas respiratórias projetadas por uma pessoa infectada, produzidas por espirros ou tosse, excluindo que houve evidência de que o vírus é transmitido pelo ar.

“A transmissão de gotículas ocorre quando uma pessoa que está em contato próximo (menos de um metro) com outra que apresenta sintomas respiratórios (como tosse ou espirro) e corre o risco de colocar sua própria mucosa (boca e nariz) ou os olhos expostos às gotículas respiratórias potencialmente infecciosas”, explica o estudo da OMS.

“Portanto, o contágio pode ocorrer por contato direto com uma pessoa infectada ou pelo contato com uma superfície ou um objeto que eles usaram”, diz o texto.

CIRCUNSTÂNCIAS ESPECÍFICAS

O artigo publicado na página da OMS explica que a permanência de partículas infectadas no ar ocorreria apenas em circunstâncias muito específicas, principalmente associadas a tratamentos médicos nos quais é gerado um efeito aerossol, como o que ocorre durante a intubação ou em uma respiração. Por esse motivo, a OMS faz um apelo enfático ao “uso racional de equipamentos de proteção individual”.

Nathaly Lepe, Publimetro Chile.

Metro Jornal