Sexo
Foto: Reprodução

Estou morando com o meu namorado há um ano. Namoramos há dois. No começo, transávamos uma vez por semana, porque morávamos longe um do outro. Depois, quando fomos morar na mesma casa, fazíamos sexo todos os dias. Porém, o ritmo foi diminuindo. Agora, rola uma vez por semana. Entendo que isso ocorra ao longo dos anos, mas acredito que foi muito rápido, pois somos jovens: ele tem 29 anos, e eu, 25. Meu parceiro toma medicação contra a ansiedade, e não sei se isso tem a ver. Ou se perdeu o interesse sexual em mim. Estou desesperada e torcendo para que isso não afunde a nossa relação.

Veja como você consegue fazer uma leitura sensata e realista do relacionamento. Porém, está insegura.

No início da relação, o desejo e o encantamento, que  auxiliam no processo da conquista, fazem com que o tesão fique mais intenso.

Quando foram morar juntos, fizeram uma escolha e optaram pelo convívio, uma vez que tinham a intenção de intensificar a cumplicidade entre vocês.

O foco muda

A certeza de estarem se amando, se vendo todos os dias e dividindo a rotina diária faz com que os casais possam dirigir seu foco de energia para outros temas da vidas – já que a relação parece estar segura.

Algumas medicações podem apresentar efeitos colaterais sobre a libido, mas isso é a longo prazo. Agora, a ansiedade, sim, é uma grande inimiga da saúde sexual.

Geralmente, quando um homem diminui a procura por sexo, a mulher tende a suspeitar de traição. Assim, a sugestão é recordar-se de todas as coisas saudáveis que vocês estão vivendo.

Falando de Sexo/Diário Gaúcho