Estado
Foto: Reprodução

O deputado estadual Giuseppe Riesgo (Novo) divulgou um balanço comparativo entre os valores públicos investidos, pelo Poder Executivo, em reforma de escolas, e pelo Poder Judiciário, em construção e melhorias em comarcas, no Rio Grande  do Sul. O estudo revela que, em 2019, foram gastos oito vezes mais recursos públicos para o segundo fim. Entre janeiro e setembro, R$ 99,5 milhões foram usados em obras, pelo Tribunal de Justiça, e apenas R$ 11,9 milhões em reformas de escolas da rede estadual.

“O TJ acaba de inaugurar seu novo edifício pago com dinheiro público, que ainda custou 39% acima do contratado inicialmente. Enquanto isso, recebemos frequentemente reclamações e denúncias sobre escolas ao redor do Estado que não possuem a mínima infraestrutura. O Judiciário vive em outro mundo”, critica Riesgo.

Com 14 andares, o novo prédio anexo do TJ conta com cerca de 51 mil metros quadrados, seis passarelas de passagem para o prédio principal e 16 gabinetes por pavimento, totalizando 176. A construção visa a qualificar as condições de trabalho de magistrados e servidores, justifica o Poder Judiciário.

Atualmente, o Rio Grande do Sul conta cerca de 2,2 mil escolas na rede pública. Significa que cada uma recebeu, em média, R$ 5,4 mil. “Muitas não recebem nada e ficam à míngua com infraestrutura precária, alagamentos, infiltrações e defeitos na rede elétrica, entre tantos outros problemas que enfrentam diariamente”, lamenta o deputado do Novo.

Ainda de acordo com Riesgo, o levantamento verificou, ainda, que o TJ, historicamente, dispõe de orçamento maior, para obras e reformas, que o da Secretaria de Educação.

Rádio Guaíba