Tempo
Ponte Internacional da Amizade. Foto: Divulgação

Segundo a usina, vazão do rio, acima da barragem, está 42% abaixo do normal. Seca revelou Kombi no leito do manancial, na região de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná.

A estiagem transformou a paisagem do Rio Paraná, que é o principal responsável pela energia gerada pela Itaipu Binacional, em Foz do Iguaçu, no oeste do estado. O volume de água, acima da barragem da hidrelétrica, está 42% abaixo do normal.

Foto: Divulgação

Na primeira semana de abril, a vazão do Rio Paraná, acima da hidrelétrica, era de aproximadamente 6,7 milhões de litros por segundo, conforme a Itaipu Binacional.

Segundo a usina, essa foi a menor quantidade de volume de água dos últimos oito anos. Por causa dessa seca, veículos que estavam no leito do Rio Paraná foram revelados entre as pedras.

Foto: Divulgação

Com a falta de chuvas, a geração de energia da usina nesta quarta-feira (8) era de 6 mil megawatts médio, o que poderia abastecer o Paraná por um dia e 16 horas ou Curitiba por 12 dias.

Fora do período de seca, segundo a Itaipu, a energia gerada diariamente varia entre 10 mil a 12 mil megawatts médios.

Foto: Divulgação

A Itaipu Binacional responde por 12% da energia consumida no Brasil e por mais de 90% do consumo do Paraguai, conforme a hidrelétrica.

A Itaipu represa o Rio Paraná para gerar energia e, segundo a hidrelétrica, o nível do lago está sendo mantido a cerca de dois metros abaixo do normal.

Conforme a usina, apesar da redução de energia gerada, tem sido possível atender a demanda por causa das medidas adotadas em combate ao novo coronavírus, que fecharam indústrias, comércio e escolas.

Itaipu