Bichos
Fato aconteceu no centro da cidade. Foto: Arquivo Pessoal/TP News

Uma moradora passou por um grande susto ao se deparar com uma serpente, possivelmente uma jararaca, na tarde desta quarta-feira, 26, em Três Passos. O fato aconteceu, por volta das 16h30, na rua Miraguaí, no centro da cidade.

A mulher estava na casa de sua mãe quando foi ao banheiro e encontrou a cobra, com menos de um metro de comprimento, enrolada ao lado do vaso. “Tenho fobia de cobra, estou tremendo ainda”, disse a moradora ao Três Passos News.

Risco de acidentes

O registro de aparecimento de cobras e de acidentes, inclusive com morte, aumentou, neste verão, no Noroeste do RS.

Sempre que o fato é publicado, o tipo de espécie e se o animal deve ser morto ou deixado viver livre na natureza divide opiniões de internautas. As discussões são acaloradas, mas o importante é saber o tipo de serpente e entender o motivo de seu aparecimento em áreas urbanas.

Só na região de abrangência da 19ª Coordenadoria Regional de Saúde (19ª CRS), que também pertence Três Passos, foram 44 acidentes envolvendo cobras no ano de 2019 e oito até 10 de fevereiro de 2020. De lá para cá, o número pode ter aumentado.

Saiba mais

A existência de jararacas é bastante comum na nossa região, principalmente em áreas rurais perto de plantações, mas também podem aparecer em áreas urbanas.

Foto: Reprodução

Suas cores variam ao longo de sua distribuição geográfica, com indivíduos apresentando tons cinza, pardo-esverdeados, amarelados e marrons. Geralmente o ventre é claro com manchas irregulares. A jararaca é ativa durante a maior parte do ano e as fêmeas tendem a serem maiores e mais pesadas do que os machos da espécie.

A jararaca possui hábitos predominantemente terrestres, podendo apresentar hábitos arborícolas, principalmente os juvenis. O grau de locomoção da jararaca é baixo, se movimentando pouco sobre o substrato. Possui atividade crepuscular e noturna sendo mais intensa na estação chuvosa.

Os juvenis de Bothrops jararaca têm a dieta composta principalmente de anfíbios anuros, enquanto os adultos alimentam-se basicamente de roedores e ocasionalmente de lagartos. As serpentes juvenis fazem uso de sua cauda de cor amarela clara para atrair suas presas em potencial, enquanto que as adultas utilizam a tática do bote para caçar.

As cobras Bothrops causam a grande maioria dos acidentes ofídicos no Brasil. A camuflagem e a imobilidade das jararacas dificultam a sua visualização e facilita deste modo os acidentes ofídicos. Seu veneno é muito potente e causa muita dor e edema no local da picada, podendo haver sangramento também nas gengivas ou em outros ferimentos pré-existentes. Contra estes efeitos, o antídoto correto é o soro antibotrópico, específico para picadas de jararacas.

Como medida preventiva, ao entrar em uma mata, deve-se sempre calçar botas, tomando cuidado ao aproximar as mãos e o próprio rosto do chão, evitando, dessa forma, um possível bote e a inoculação do veneno. (Infoescola)