Polícia
Foto: Reprodução

Segundo o delegado responsável pela investigação da morte de Jordana Tamires Watthier, de 13 anos, natural de Três Passos, Marcos Eduardo Pepe, a mãe deu falta da filha apenas por volta das 14h30 de domingo, 4, quando a polícia a avisou do encontro do cadáver. Jordana foi sepultada na manhã de terça-feira, 6, na sua terra natal e onde mora seu pai.

O suspeito do crime, conforme a polícia, é o padrasto, Elias dos Santos Silvestre, de 39 anos, natural de Tenente Portela, que está desaparecido, mas teve prisão preventiva decretada. Ele tinha passagens por três estupros, dois de duas menores de 14 e 15 anos, e por roubo, e estava em liberdade condicional.

De acordo com o delegado, todos sabiam das condenações passadas do padrasto, inclusive a mãe. Ela relatou à Polícia Civil que ele jurou não fazer nada com as filhas e, como frequentava uma igreja evangélica, teria mudado de comportamento. A irmã do suspeito foi quem recebeu uma mensagem dele pouco depois do crime. Segundo o delegado, o recado em áudio informou onde ele havia abandonado o carro – um Fiat Uno, deixado no município de Montenegro. No áudio, ele também afirmava que “havia feito besteira”.

Foto: Reprodução

O pai de Jordana, o motorista Gelson Jair Watthier, de 47 anos, está consternado com o fato. Na terça-feira, após o sepultamento, ele atendeu a reportagem de GZH emocionado e lamentou não ter sido avisado do histórico do namorado da mãe dela. Ele costumava buscar ela e o irmão pelo menos duas vezes por ano para passar as férias com ele.

“Eu perguntava se ela queria vir morar comigo e ela respondia prontamente que sim, mas quando eu questionava se havia algo de errado, ela não contava. Eu não estava sabendo de nada. Soube que ela se queixava para uma vizinha da mesma idade que ele apalpava ela nas nádegas. A mãe escondeu isso, dizia que era brincadeira. Por que não me avisaram? Eu teria ido buscar ela na mesma hora. Por que não entraram em contato comigo? Eu não deixaria para depois, buscaria ela no mesmo instante. Eu quero justiça, ele tem que pagar por tudo que fez com a minha filha”, afirmou ao site GZH.