Estado
Foto: Divulgação

O governador Eduardo Leite (PSDB) esteve reunido na tarde desta segunda-feira com representantes da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e de cada uma das 27 associações regionais do Estado. Nesta reunião, foram deliberadas medidas para conter o avanço do coronavírus no Rio Grande do Sul. Entre as medidas adotadas, está a suspensão da cogestão por 15 dias e os eventos festivos de finais de ano, tanto em empresas públicas quanto privadas. 

Das 21 regiões, conforme a divisão do modelo de Distanciamento Controlado – todas elas classificadas preliminarmente em bandeira vermelha, 11 ingressaram com recurso para pedir reclassificação. O Estado acatou apenas dois pedidos, e Guaíba e Cachoeira do Sul ficam em bandeira laranja. As demais 19 regiões, inclusive Santa Maria, ficam em bandeira vermelha. 

COGESTÃO

A cogestão do Distanciamento Controlado podia ser adotada por aquelas regiões que passassem para bandeira vermelha, que tem regras mais restritivas, desde que criassem protocolos próprios e que estes fossem aprovados pelo Estado. Com isso, aqueles locais com o risco alto de transmissão do coronavírus poderiam seguir regras menos rígidas que a bandeira vermelha, mas não igual ou menor que a laranja. 

Com a suspensão por duas semanas, todas as regiões devem obedecer os protocolos estaduais da bandeira vermelha, sem exceção.

COMÉRCIO E RESTAURANTES

Em contrapartida, o governador alterou algumas regras, como por exemplo no comércio e restaurantes. Não haverá restrição de dias de abertura para o comércio, mas estes poderão abrir com um horário limitado: comércio até as 20h e restaurantes até 22h. Nos bares e restaurantes, está proibida a música ao vivo e os clientes poderão estar em grupos de no máximo seis pessoas. Entregas por meio de delivery ou no modelo ‘pague e leve’ podem funcionar até as 23h.

– A gente espera que essas medidas emergenciais sejam apenas por duas semanas, vamos estar acompanhado, mas se for necessário a gente vai prorrogar ou alterar algum protocolo. Estamos pedindo a população um esforço concentrado para quebrar esse ciclo de contágio, reduzindo ao máximo os contatos entre as pessoas – disse Leite, em live na tarde desta segunda. 

O governo também oferece aos prefeitos apoio da Brigada Militar para fiscalização e promete realizar uma campanha de comunicação para conscientização da população.

SUSPENSÃO DE FESTAS E EVENTOS

Outra ação importante diz respeito às festas de final de ano, que estarão proibidas. Elas não poderão ser organizadas por prefeituras, nem por entidades privas. Nos casos de reuniões familiares, serão permitidas até 10 pessoas, sem contar crianças e adolescentes até 14 anos.

Eventos sociais como casamentos, festas de formatura ou aniversário estão proibidos. 

ESPORTES COLETIVOS

Estão proibidos os esportes coletivos, com exceção de treinos de grupos profissionais. Também não podem funcionar piscinas em locais compartilhados, como em clubes ou condomínios. Também entra nessa regra pracinhas, churrasqueiras e demais áreas em comum.

As atividades físicas em academia estão liberadas, desde que sigam todos os protocolos de segurança e obedeçam ao número máximo de alunos.

LOCAIS PÚBLICOS

As medidas emergenciais incluem também a proibição da permanência em locais abertos sem controle de público, como ruas, parques, praias e praças. Segundo o governador, não existirá um “toque de recolher” nem horários delimitados para a circulação, mas sim será reforçada a fiscalização para impedir que haja aglomeração. 

 – A gente já teve esse momento de interdição das praias, e vamos voltar para que as pessoas não aglomerem. Mas a circulação de pessoas é livre – ressaltou Leite. 

Diário de Santa Maria