Justiça
Foto: Arquivo/TP News

Os servidores do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) entraram em greve nesta terça-feira (24). A paralisação foi decidida em assembleia geral, na última terça (17), quando mais de 500 servidores do judiciário gaúcho votaram a favor do protesto. O Tribunal está orientando os foros a permanecerem abertos e que a presença dos servidores que não comparecerem ao trabalho não seja registrada.

A mobilização, de acordo com o Sindicato dos Servidores da Justiça do Estado (Sindjus/RS), ocorre em protesto contra um projeto de lei que tramita na Assembleia Legislativa. Se aprovada, a medida deve extinguir os cargos de oficial escrevente do quadro funcional do TJ, substituindo-os por um cargo de técnico judiciário.

Segundo a categoria, mais de 3,5 mil servidores ocupam este cargo atualmente, e devem ficar em um “limbo funcional após a extinção”.

Segundo o sindicato, os trabalhadores do judiciário também “enfrentam cinco anos de congelamento salarial e falta de perspectivas de progressão na carreira”.

Em relação ao impacto da paralisação, a categoria afirmou que “uma orientação prévia em caso de greve” mantém um mínimo de 30% efetivo em serviço em cada comarca.

“Os oficiais escreventes correspondem a 60% da força de trabalho na ativa na Justiça, e são quem efetivamente atende a população nos cartórios”, afirmou o sindicato em nota.

A categoria havia estabelecido esta segunda (23) como data limite para que a área de administração do TJ iniciasse uma negociação com o grupo. O sindicato afirma que não foi procurado pelo judiciário.

Os servidores da Comarca de Três Passos também aderiram à greve.