Justiça
Réus ainda podem recorrer da decisão. Foto: Arquivo/TP News

A 1ª Câmara Criminal do TJRS negou por maioria na tarde quinta-feira, 20, recursos interpostos pelos réus condenados pela morte de Bernardo Boldrini. Leandro Boldrini, Graciele Ugulini, Edelvania Wirganovicz e Evandro Wirganovicz foram condenados pelo Tribunal do Júri da Comarca de Três Passos, em março de 2019.

O recurso não foi aceito por dois desembargadores, enquanto um votou favorável ao pleito da defesa. Por não ter sido negado de forma unânime, abriu-se a possibilidade para que a defesa de Leandro Boldrini, pai do menino, ingresse com embargos infringentes e, assim, haja uma nova análise, agora pelo 1° Grupo Criminal, que reúne desembargadores da 1ª e 2ª Câmara, um número maior de magistrados, segundo o site GZH.

Os advogados do pai do menino, condenado a 33 anos e oito meses de prisão, questionavam pontos formais e o que entendem como falta de provas no julgamento. Entre eles, a permissão dada pela juíza Sucilene Engler para que os promotores continuassem a fazer perguntas ao réu mesmo após ele dizer que não responderia mais. Sobre as provas,eles entendem que não ficou comprovado que o pai mandou matar o filho.

Condenações

Foram condenados o pai da criança, Leandro Boldrini (33 anos e 8 meses), a madrasta Graciele Ugulini (34 anos e 7 meses de reclusão), a amiga dela, Edelvania Wirganovicz (22 anos e 10 meses), e seu irmão, Evandro Wirganovicz (9 anos e 6 meses).

Evandro é o único que está em liberdade. Ele cumpria pena em regime semiaberto quando, em 15/03/19, atingiu o lapso temporal para progressão de regime e para o benefício do livramento condicional.