Tempo
Foto: Arquivo/Três Passos News

O La Niña – resfriamento das águas do Oceano Pacífico –, que está em atuação durante a primavera e já altera o padrão de chuva, deve se estender até o outono de 2022. A previsão consta no mais recente relatório do NOAA, o departamento de meteorologia dos Estados Unidos, que afirma que há 50% de chances de o fenômeno se prolongar. Mas o que isso significa?

 — O La Niña nada mais é do que o resfriamento das águas superficiais do Oceano Pacífico Central. Esse resfriamento consegue alterar o padrão de circulação dos ventos em diferentes níveis da atmosfera, o que, dependendo da época do ano, impacta diretamente no padrão de chuva e temperatura da Região Sul, incluindo o Rio Grande do Sul — explica Dóris Palma, meteorologista da Somar Meteorologia.

No Rio Grande do Sul, os principais efeitos serão sentidos em relação à falta de chuva, com um padrão irregular e mal distribuído precipitações durante os próximos meses. Há previsão de chuva abaixo da média pelo menos até junho de 2022.

— Isso não significa ausência total de precipitação, mas, sim, que os volumes não serão suficientes para alcançar a média histórica.

De acordo com a Somar, como consequência, há risco de estiagem para os próximos meses no Estado. Sem chuva, as temperaturas tendem a ser mais altas, acima da média do período, que varia de acordo com cada área.

No caso da Região Metropolitana, por exemplo, Porto Alegre tem como média entre 29ºC e 30ºC nos meses mais quentes. Enquanto estiver sob os efeitos do La Niña, a Capital pode registar até três graus acima da média. O mesmo pode ocorrer no Oeste do Estado, onde as temperaturas médias ficam entre 30°C e 32°C.

Assim, os gaúchos já podem se preparar: o verão será quente e seco. Segundo a especialista da Somar, os efeitos descritos acima devem ser sentidos por todas as regiões do Rio Grande do Sul, de maneira uniforme.

Receba as notícias do Três Passos News no seu celular:

https://chat.whatsapp.com/BC2EPoxtSbEIlzleby7yT3

GZH