Geral
Foto: Reprodução

Uma menina de 8 anos foi internada na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital em Brasília após sofrer intoxicação por um dos componentes do slime, espécie de geleca colorida que virou febre entre as crianças e pode ser fabricada em casa. No hospital, foram identificados sintomas de dermatite atópica e insuficiência renal.

Em um post no Instagram, a influenciadora digital Thamires Ximenes compartilhou os momentos de tensão desde que a filha começou a manifestar sintomas. Segundo ela, “desde quando a fabricação caseira virou febre, a menina passou a ‘fabricar’ slime com muita frequência e há muito tempo vem reclamando de dores na barriga. Depois, apareceram muitas manchas na pele”.

Com o aumento de dores abdominais, a mãe levou a filha ao pronto-socorro, onde foi identificada uma redução de 40% da função renal. Somente após sete dias de internação e diversos exames, os médicos identificaram a fonte do problema: intoxicação por ácido bórico. Esse é um dos elementos que formam o “ativador” do slime feito em casa, com Bórax, talco ou água boricada.

Em entrevista ao portal Metrópoles, Thamires afirmou que o susto foi grande e que a menina já passa bem. “Agora ela está livre das dores e manchas, mas foi um sufoco. Já tinha lido em diversas matérias que o tal do Bórax é prejudicial à saúde, por isso optávamos por fazer a geleca sempre com água boricada. Foi uma surpresa saber que o componente também é nocivo”, relatou.

Em maio deste ano, outro caso de intoxicação por slime foi registrado. Uma criança de 12 anos ficou mais de uma semana internada em São Paulo depois de brincar com a geleca. Os exames concluíram que se tratava de uma alergia à mesma substância que intoxicou a filha de Thamires.

Metrópoles