Saúde
Foto: Reprodução

Após 10 anos de tratamentos e exames, os médicos não conseguem descobrir o distúrbio que levou Matheus Fetter, de 10 anos, a pesar 195Kg. Com diversas limitações por conta da obesidade, o sonho do menino e da família, moradores de Chapecó, no Oeste de SC, é que a criança possa levar uma vida normal. 

Com uma semana de vida e apenas se alimentando de leite materno, Matheus já pesava sete quilos. A princípio, os médicos disseram que ele era apenas uma criança “forte”, conta a mãe Gabriela Fetter. No decorrer dos meses, no entanto, o peso foi aumentando muito rápido até que a família começou a procurar respostas.

— A gente fazia exames e mais exames e a esperança de ter um resultado aumentava a cada dia. Fomos a Florianópolis, São Paulo, até encaminhamos um exame para fora do país, mas todos os exames apresentavam um diagnóstico normal de uma criança dessa idade, mas o peso já estava muito além do normal — relata a mãe.

Mesmo seguindo dietas recomendadas e tentando um tratamento com medicação, Gabriela conta que o peso do filho segue aumentando. No último ano, Matheus engordou 11Kg. A obesidade provocou uma série de problemas de saúde e limitações físicas na criança, que cursa o quinto ano do ensino fundamental.  

— Ele tem infecção nos olhos, é surdo de um lado do ouvido e tem os pés tortos. Nunca usou chinelo, nem sandália, muito menos tênis — conta.

Gabriela é casada com James Borba e têm outros dois filhos, de um e dois anos de idade. As duas crianças são saudáveis. A mãe conta que Matheus sempre diz que sonha em poder usar as camisetas do pai.

UMA POSSÍVEL SOLUÇÃO

Após várias tentativas de tratamento, a recomendação dos médicos é realizar uma cirurgia bariátrica, chamada “sleeve”, que remove parte do estômago. O procedimento, no entanto, é caro, e a família busca arrecadar os mais de R$ 70 mil necessários através de uma vaquinha pela internet.

— Eu sonho em ver ele fazendo coisas normais, que para muitos são simples, como correr, poder caminhar com a gente a pé, andar de bicicleta, tomar banho sozinho. A gente tem esperança que essa cirurgia vai ajudar ele a ter uma vida normal — diz. 

Para ajudar, basta acessar este link. Também é possível fazer uma doação por meio de PIX pelo e-mail fetter_gabi@hotmail.com.

Diário Catarinense