Bichos
Acidente ocorreu perto da cidade de Esperança do Sul. Foto: Arquivo Pessoal/TP News

A combinação de altas temperaturas e umidade, como tem ocorrido neste verão, está favorecendo o aparecimento de animais peçonhentos no Noroeste do RS, principalmente de cobras venenosas. Acidentes com jararacas ou jararacuçus estão sendo frequentes e um deles ocorreu na tarde da última quinta-feira, 13, em Esperança do Sul.

Segundo o morador Douglas Vinicius Konrad, de 29 anos, ele caminhava perto de um açude, nos arredores da cidade, quando uma cobra lhe deu o bote, não o alcançando. Seu cachorro, no entanto, não teve a mesma sorte e acabou picado. Em casa, aplicou vacina no animal e conseguiu salvá-lo. “Era uma jararacuçu de 1,30 metro de comprimento, e o corpo tinha o tamanho de uma garrafinha de água mineral”, disse ao Três Passos News.

Cachorro foi tratado e sobreviveu. Foto: Arquivo Pessoal/TP News

Em entrevista ao Jornal Folha do Noroeste, o biólogo e especialista em Saúde da 19ª Coordenadoria Regional de Saúde (19ª CRS), Marcio André Geroldini, explicou que esses animais são de baixo metabolismo, ou seja, mantêm a temperatura do corpo através de fontes de energia provenientes do ambiente. “Esses animais têm maior atividade e reprodução no verão ou em épocas mais quentes”, acrescentou. “As serpentes habitam, principalmente, a zona rural e as periferias das grandes cidades, preferindo ambientes úmidos, como matas e são carnívoras”, concluiu.

Para prevenir acidentes, a orientação é evitar folhagens densas junto a muros e paredes; sacudir roupas e sapatos antes de usá-los; não por a mão em buracos, sob pedras e troncos podres; usar calçados e luvas de couro ao realizar atividades de jardinagem.

Em caso de acidente com animal peçonhento, o paciente deve ser medicado nas primeiras horas.  O soro antiveneno é o único tratamento eficaz. “Imobilize o membro atingido e tente mantê-lo em posição elevada. Sempre que possível, capture o animal para identificação. Não corte, não esprema, não faça sucção e nem torniquete”, orientou o biólogo.

Na região de abrangência da 19ª Coordenadoria Regional de Saúde (19ª CRS), que também pertence Três Passos, foram 44 acidentes envolvendo cobras no ano de 2019 e oito até 10 de fevereiro de 2020.