Inusitado
Foto: Reprodução

Um suposto roubo causou confusão e terminou em risadas em Londrina, no norte do Paraná. Uma mulher confundiu a moto dela com a de outra pessoa e acabou levando o veículo errado para casa.

“Tudo começou quando fui ligar minha moto, vi que estava travado, não estava destravando. Então pedi ajuda para um amigo”, explica Jaqueline Domingos.

Em um vídeo enviado por uma rede social, a Jaqueline ainda filmou o que estava acontecendo.

“Vim no centro para comprar uma blusinha para a minha irmã, parei, comprei e voltei. Fui tentar ligar a moto e acredita que essa chave não vira?”, contou Jaqueline no vídeo.

A mensagem era para o empresário Albert Giro. Ele foi comprar corda para uma viola e na saída da loja topou justamente com a amiga em apuros.

“Saindo da loja vi ela e falei ‘nossa, está me seguindo?’ Foi muita coincidência ela estar na frente da loja que eu estava. Fui ajudar e a chave não ligava a moto e nem destravava. Aí eu disse, vou te ajudar. ‘A gente arrasta a moto até a Concha Acústica, onde está o meu carro, uma Montana, a gente coloca ela em cima e te levo pra casa”, contou o empresário.

Imagens de uma câmera mostram o esforço de Albert para arrastar a moto pela rua, um desconhecido ajudou a empurrar o veículo até uma caminhonete.

“Amarrei bem a moto e sai pela rua, na maior tranquilidade. Até então estava ajudando. Deixei ela e a moto na casa”, contou.

Pouco depois, no fim do expediente, o Wilson Berbert deixou a loja onde trabalhava e não encontrou a moto dele.

“Percebi o vazio onde tinha parado a minha moto. Parei, levei um baita de um susto e logo depois o medo.Pensei, cadê? É um sentimento de perda, desespero, de não saber o que fazer”, explicou.

Uma pessoa fotografou a moto do vendedor na caçamba de uma caminhonete. A foto com alerta de furto se espalhou pelas redes sociais e, através dela, a polícia chegou até o Albert.

“Falei, não, essa moto não foi furtada. Aí o policial, por telefone, disse que sim, falou que eu tinha roubado a moto. Ele perguntou se eu sabia onde a moto estava e disse que estava na casa de gente de família. aí ele falou, “eles roubaram e usaram você para roubar essa moto”. Então, eu disse para irmos até a casa da Jaqueline para resolvermos o problema”, lembrou Albert.

A confusão ocorreu porque a Jaqueline estava com a moto errada, a do Wilson, por isso não conseguia dar a partida.

“Só fui descobrir que a moto não era minha quando o Albert chegou em casa com o investigador. O investigador pediu o documento. Ao pegar o documento e comparar com a placa percebi que não era a minha”, contou Jaqueline.

Wilson estava em um casamento quando recebeu a boa notícia.

“Estava na igreja e a minha filha deu um positivo. ‘Pai, acharam a moto!’. Me emocionei, quase chorei”, conta.

O detalhe desta história é que o Wilson foi o vendedor da corda de viola comprada pelo Albert, antes dele encontrar com a Jaqueline.

Com a moto devolvida, todo mundo riu da história.

“Na hora a gente explicou a dinâmica, demos muitas risadas em frente à delegacia. Fizemos até uma foto com a moto dele na minha caminhonete”, diverte-se Albert Giro.

“Ele é um cara gente boa, é uma história que a gente vai levar sempre”, disse Wilson Berbert.

VEJA TAMBÉM

RPC Londrina