Denúncia
Foto: Reprodução

A guerra para promover a gravidade a qualquer custo da epidemia causada pelo coronavírus está ficando cada vez mais suja. Tornou-se indispensável, na visão dos militantes em favor do “isolamento total”, aumentar todos os números e fatos negativos sobre a doença, e aí está valendo tudo.

Já foi comprovada a falsificação de atestados de óbito, apontando o vírus como causa da morte quando a pessoa, na verdade, morreu em consequência de outras patologias. O governo do Estado de São Paulo e outros estão mandando alterar a “causa mortis” em casos de doenças respiratórias crônicas.

Máscaras são confiscadas à força pelos poderes estaduais e municipais de empresas privadas; a polícia não apenas permite o crime mas participa da sua execução. Juízes, em todo o país, expedem ordens absolutamente contrárias à Constituição. Informações positivas sobre o combate ao vírus estão sendo sistematicamente omitidas pelas autoridades e pela mídia.

Os pontos de vista científicos que não endossam a necessidade do “isolamento horizontal” só aparecem nas redes sociais. Há uma censura declarada, em nome da saúde pública, contra todas as opiniões e notícias que não apoiam a visão segundo a qual “ninguém pode sair de casa”.

O coronavírus virou definitivamente uma causa política no Brasil. Quem é a favor do binômio “fica em casa – fecha tudo” é “de esquerda” ou progressista – ou, no mínimo, contra o governo. Quem é contra e defende a volta à atividade produtiva é “de direita”.

Por J.R GUZZO – Metrópoles