Economia
Foto: Reprodução

Com pouco mais de um mês de quarentena em Santa Catarina, o Sebrae/SC divulgou nesta segunda-feira, dia 20, um estudo do impacto da pandemia na economia do Estado. A pesquisa apontou que 406.099 catarinenses perderam seus empregos nos primeiros 30 dias de isolamento social. Foram 242.093 mil pessoas demitidas pelos pequenos negócios e 164.006 pelos grandes e médios. A pesquisa ouviu 4.348 empresários.

Entre todos os entrevistados, 34,45% dos empresários afirmaram terem feito, em média, duas demissões desde o dia 18 de março, quando passou a valer o primeiro decreto de isolamento social publicado pelo Governo do Estado.

Ainda neste período, a estimativa é de que 10.443 empresas tenham fechado as portas em Santa Catarina, o que representa 1,22% dos negócios no Estado. Os setores mais impactados foram os Microempreendedores Individuais (MEI) e as microempresas. Conforme o estudo do Sebrae/SC, 1,39% das microempresas e 1,69% dos MEI catarinenses encerraram as suas atividades durante a pandemia.

“O número de 10 mil empresas [fechadas] neste período também é bastante significado, o que mostra realmente o impacto. E está associado ainda a outros números que temos. Os pequenos negócios têm capital de giro para poucos dias, para menos de um mês. E com o isolamento alcançando um mês, muitas dessas empresas não conseguiram suportar”, apontou o diretor técnico do Sebrae/SC, Luc Pinheiro.

A pesquisa apontou que 91% das empresas alegaram queda no faturamento, com uma redução média de 64,63%. Somente entre as micro e pequenas empresas, as perdas estimadas de faturamento chegam a R$ 9,4 bilhões em um mês.

Engeplus